Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
MUSEU ARTE-CIÊNCIA-TECNOLOGIA: TRANSDISCIPLINARIDADE COMO ESTRATÉGIA CURATORIAL, EXPOGRÁFICA E DE ARQUIVO
Número do projeto
055965
Número do processo
23081.038085/2021-84
Classificação principal
Pesquisa
Data inicial
06/05/2021
Data final
30/04/2024
Resumo
O projeto Museu Arte-Ciência-Tecnologia (2017-2022) foi atualizado na sua temática para Transdisciplinaridade como estratégia Curatorial, Expográfica e de Arquivo (2021-2024). Configura-se como uma atividade de ensino, pesquisa e extensão, junto ao LABART/CAL/UFSM, através do grupo de pesquisa Arte e Tecnologia CNPq. Este projeto de caráter transdisciplinar segue permitindo, na área de investigação das Artes Visuais, estudar artistas e obras em poéticas digitais, discutir questões emergentes no campo da arte, ciência e tecnologia digital, aprofundar o estudo e a prática em curadoria, expografia e arquivo para contribuir com a História, Teoria e Crítica da Arte Contemporânea. A ideia deste projeto começou em 2010, a partir de uma conversa informal entre duas pesquisadoras, coordenadoras de cursos de pós-graduação na época, interessadas em propostas transdisciplinares que pudessem ser exploradas na articulação do ensino, pesquisa e extensão através de um espaço expositivo. O projeto colaborativo passou por diferentes fases e a partir de 2016 assume a nomenclatura Projeto Museu Arte-Ciência-Tecnologia (MACT). Durante esse período, o MACT realizou diferentes ações expositivas em distintos espaços físicos e, mais recentemente, a partir de 2019, começaram tratativas para o uso do mezanino do Planetário da UFSM, que segue em reforma em 2020, e poderá ser utilizado a partir de 2021. Esse projeto, na área das Artes Visuais, sob minha responsabilidade, conta com pesquisadores de diversas áreas para o desenvolvimento de ensino, pesquisa e extensão através de ações transdisciplinares. Mantém vínculos com artistas emergentes e reconhecidos nacional e internacionalmente para as exposições: no MASM, 2011 - ação Museu Interativo Arte-Ciência-Tecnologia e Patrimônio Cultural: "Mata-200 milhões de anos Árvore Pedra", com Anna Barros; na UFSM, 2013 - ação Museu Interativo Arte-Ciência-Tecnologia: "Arte-Sustentabilidade-Ciência", com Guto Nóbrega, Malu Fragoso, Carlos Donaduzzi, Fernando Codevilla e Anelise Witt; no CAL/UFSM, 2015 - ação Museu Interativo Arte-Ciência-Tecnologia: “Neuroarte”, com Alberto Semeler; e, no CAL/UFSM, 2016 - ação Museu Arte-Ciência-Tecnologia: “Neurociência e Arte: percepção sensível”, com Mariela Yeregui, Manuela Lopez, Raquel Zuanon, Rosangela Leote, Tania Fraga, entre outros, junto ao FACTORS 3.0, “Neurociência e Arte: percepção sensível” (a partir de 2016, as ações do Museu Arte-Ciência-Tecnologia acontecem em paralelo às edições do FACTORS); no CAL/UFSM, 2017 - “Neuro Bioarte”, junto ao FACTORS 4.0 “Bioarte” integrado à BIENALSUR de Buenos Aires; no CAL/UFSM, 2018 “Bio(arte) e Sustentabilidade”- junto FACTORS 5.0 “Bioarte e sustentabilidade”; 2019 - “Luz, (Arte) e Sustentabilidade” junto ao FACTORS 6.0 “Luz e energia”, integrado à BIENALSUR/UNTREF; 2020 - FACTORS 7.0 “Água e sustentabilidade”, que acontece integralmente online; 2021- FACTORS 8.0 trata de “Contágios”, mais especificamente sobre “Propagação digital: do in loco ao online”, integrado à terceira edição da BIENALSUR. Estas ações expositivas, somadas à atualização do conhecimento nas áreas envolvidas, desencadearam um percurso próprio e uma dinâmica expositiva que deu ao grupo, formado por pesquisadores, artistas, estudantes de pós-graduação e graduação, e técnicos, consistência e competência. O reconhecimento dos resultados, com a maturidade na fase inicial, foi alcançado em 2014 com a aprovação do projeto NeuroArte: Museu Itinerante de Neurociência, Arte e Tecnologia pela Chamada MCTI/CNPq/SECIS n.085/2013 de apoio à criação e ao desenvolvimento de centros e museus de ciência. Um segundo momento de reconhecimento foi atingido em 2017, com a inserção do FACTORS na BIENALSUR de Buenos Aires, o que se repete em 2019 e com previsão para 2021. Para os anos de 2021 a 2024, o presente projeto dá continuidade à investigação estruturada de modo mais amplo, quando prevê discutir a TRANSDISCIPLINARIDADE COMO ESTRATÉGIA CURATORIAL, EXPOGRÁFICA E DE ARQUIVO anualmente: nas reuniões semanais do grupo de pesquisa, nas ações expositivas temáticas em arte ciência e tecnologia; nos simpósios de arte contemporânea; nas exposições do FACTORS; e nas publicações de catálogos e livros.
Objetivos
OBJETIVO GERAL - Discutir o conceito de TRANSDISCIPLINARIDADE COMO ESTRATÉGIA CURATORIAL, EXPOGRÁFICA E DE ARQUIVO no diálogo com a ciência e a tecnologia digital para fundamentar teoricamente as ações expositivas, com artistas e obras, contribuindo com a História, Teoria e Crítica da Arte Contemporânea. - Concretizar as ações do projeto Museu Arte-Ciência-Tecnologia através de exposições temáticas em arte ciência e tecnologia, simpósios de arte contemporânea e festivais reunindo pesquisadores, profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, visando a internacionalização para reconhecer e debater questões atuais da arte contemporânea, considerando o local e o global. OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Propiciar o desenvolvimento de atividade de pesquisa transdisciplinar entre os programas de pós-graduação envolvidos, a partir de temática comum, resultando em ações expositivas em arte, ciência e tecnologia; - Promover anualmente o Simpósio de Arte Contemporânea, com conferencistas e palestrantes nacionais e internacionais; - Realizar o Festival de Arte, Ciência e Tecnologia/FACTORS com artistas nacionais e internacionais com produção específica no argumento curatorial de cada ano; - Pensar nas ações, questões curatoriais e de expografia, através da investigação de processos de mediação abertos à comunidade acadêmica e ao público em geral; - Elaborar estratégias para viabilizar o arquivamento dos projetos artísticos de forma planejada para uso em futuras exposições; - Promover a interlocução cultural, científica e tecnológica na região central do estado do Rio Grande do Sul, entre a comunidade local e a comunidade acadêmica (pesquisadores nacionais e internacionais), através das ações desenvolvidas pelo Museu; - Propiciar projeção nacional e internacional dos resultados do projeto, que impactem diretamente nos grupos de pesquisa e programas de pós-graduação envolvidos na UFSM, apoiados no Museu Arte-Ciência-Tecnologia.
Justificativa
Acreditando na abertura da história, teoria e crítica da arte para outras experiências na contemporaneidade, surgem ações transversais entre as mais diversas áreas. Desse modo, este projeto propõe mostras em um espaço transdisciplinar entre arte, ciência e tecnologia, que se dedica ao exercício do ensino, pesquisa e extensão. Isso, para divulgar não apenas a produção acadêmica da universidade, mas também propiciar a vinda de pesquisadores nacionais e estrangeiros para contribuir na construção do conhecimento, baseado em temáticas específicas a cada evento, ou a cada ano, a partir de um argumento curatorial que possibilite as relações transdisciplinares entre as três áreas envolvidas: a arte, a ciência e a informática. Nesse sentido, já temos um percurso realizado. Quando iniciada a ideia do projeto, no ano de 2010, as coordenadoras do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGART) e Programa de Pós-Graduação em Bioquímica Toxicológica (PPGBTOX) desenvolveram um projeto de Museu Interativo, em colaboração com outros três programas de pós-graduação, com a pretensão de construir um espaço específico para as atividades de pesquisa e extensão em torno da arte, ciência e tecnologia, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Na época, o grupo era formado por professores pesquisadores de cinco Programas de Pós-Graduação da UFSM: Artes Visuais, Educação em Ciências, Ciências Sociais, Patrimônio Cultural e Informática, dois professores e dois alunos bolsistas do curso de Arquitetura. O projeto foi bem recebido na reitoria, mas devido à falta de um espaço físico destinado ao museu, optou-se por realizar ações expositivas periódicas e com possibilidade de itinerância que iniciaram em 2011 com o “Museu Interativo Arte, Ciência, Tecnologia e Patrimônio Cultural: Mata: 200 milhões de anos”, resultado de um trabalho conjunto de três programas de pós-graduação: Artes Visuais, Educação em Ciências (que substitui Bioquímica Toxicológica) e Ciências Sociais. Em 2013, atendendo ao edital da Profitecs/UFSM, reuniram-se pesquisadores e estudantes nas áreas das Artes Visuais, Ciências e Tecnologia, para apresentar e discutir pesquisas transdisciplinares, com o tema da sustentabilidade. Tanto na área acadêmica quanto profissional, atendendo o contexto regional e nacional, a “Instalação Arte–Ciência–Tecnologia” reuniu artistas que investigam novas possibilidades criativas e extrapolam o campo da arte contemporânea, refletindo sobre seus trabalhos ao mesmo tempo em que os teóricos e críticos apresentaram possibilidades de entendimento desta produção transdisciplinar. Foram responsáveis dois programas de pós-graduação: Artes Visuais e Educação em Ciências. Do mesmo modo, em 2015, aconteceu a ação denominada Neuroarte, na qual foram apresentadas ao público propostas transdisciplinares, que envolviam pesquisadores das Artes Visuais, Ciência, Música e Informática, e traziam experiências em torno dos temas da Neurociência e das Artes. O FACTORS 1.0 (2014) é organizado em torno da “Arte Digital (humano e maquínico)”. A curadoria compartilhada traz a concepção abrangente de arte, ciência e tecnologia digital, para pensar e discutir que, independentemente das técnicas ou tecnologias envolvidas, os artistas brasileiros contribuem para redimensionar questões importantes no que diz respeito à estética, ao humano, ao maquínico e ao social na Arte Contemporânea. Na segunda edição (2015), o Festival segue focado na “Arte Digital (labirinto e espaço-tempo)”. A equipe curatorial apresenta como proposta a concepção de labirinto, entendida em três momentos: o ser, o espaço-tempo, e o maquínico. Todos como metáfora de uma cultura conectada, para promover reflexões críticas e sensíveis a partir das mídias digitais. Integram a mostra artistas nacionais. Na sequência, é realizada a ação expositiva “Neurociência e Arte: percepção sensível”, vinculada FACTORS, na UFSM, em 2016. Para o FACTORS 3.0 (2016), “Neurociência e Arte, percepção como experiência sensível”, é atualizada a marca e o projeto gráfico do evento, e renovada a equipe da curadoria compartilhada. O Festival passa a convidar também artistas internacionais, nesta edição, de Portugal e Argentina, e destaca um conceito específico para reafirmar a concepção transdisciplinar das exposições. Nesse ano de 2016, o conceito é neurociência. O FACTORS 4.0 (2017), trata de “Bioarte”. Essa concepção, mais recente no campo da Arte Contemporânea, pode ser entendida não apenas como uma pesquisa da área da arte entrelaçada com a área da Biologia, mas, também, da Biotecnologia e da Bioengenharia. A mostra que reúne artistas brasileiros, mexicanos, argentinos e residente nos EUA, integra a primeira BIENALSUR como marco km1055, em Santa Maria e, desdobrada, no Museu da UNTREF/Caseros, em Buenos Aires. Nesta edição de 2017 e nas seguintes, a curadoria é compartilhada entre Nara Cristina Santos e Mariela Yeregui. A quinta edição (2018) do Festival tem como estratégia ampliar o conceito anterior de bioarte para “(Bio)arte e Sustentabilidade”, considerando uma demanda institucional. Para esta edição, o evento vincula-se à agenda da ONU 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, visando atingir os objetivos 4 - Educação de Qualidade e 12 - Consumo e Produção Responsáveis. Conta com artistas latino americanos, entre eles brasileiros, argentinos e mexicano. O FACTORS 6.0 (2019) apresenta o conceito de “Energia<>Luz” como argumento curatorial. A energia entendida como um fluxo potencial da natureza, uma experiência sensorial que faz do fenômeno artístico um projeto dinâmico; relacionada à luz, surge como resistência ecológica e social para ampliar o contexto cultural. Conta com artistas brasileiros, argentinos, venezuelana e residente nos EUA. O evento integra a segunda edição da BIENALSUR. A sétima edição (2020), em meio a pandemia, traz questões novas à curadoria. Não somente em relação ao argumento curatorial “Água e Sustentabilidade”, já definido no final de 2019, com artistas convidados do Brasil e Argentina que previam instalações in loco, mas, sobretudo, para a expografia, quando se decide fazer tanto o 15 Simpósio, quanto o FACTORS 7.0 online, em função da Covid-19. O resultado da experiência, como nas edições anteriores, foi publicação via Editora PPGART. Este rápido histórico contribui para entender o percurso nestes últimos anos, assim como para sustentar a continuidade do projeto, de modo mais amplo, atendendo a uma demanda cultural emergente. Considerando a região central do estado, área de abrangência mais direta do projeto, a proposta curatorial do Museu será pautada por atividades que envolvam todas as áreas, entre outras que possam se integrar à proposta, coordenada pelos pesquisadores envolvidos do campo da arte, da ciência e da tecnologia. Nesse sentido, é interessante pensar que o projeto do museu possa se assumir como um proponente de questões que abranjam a cultura e o contexto local, em diálogo com o global. Isso já acontece com a obra integrante de seu acervo, Mata: 200 milhões de anos (2009), de Anna Barros, na qual a artista trabalha com fragmentos de madeira petrificada de um sítio paleobotânico da cidade de Mata, culturalmente inativa, e valoriza-o ao explorá-lo, reelaborado enquanto imagem para uma instalação interativa que hoje integra o acervo do museu. Como cidade cultura, é importante que se estabeleça em Santa Maria, por tradição considerada uma cidade universitária, um espaço para eventos e exposições em arte, ciência e tecnologia que sejam desenvolvidos dentro do campus, através de diferentes ações deste projeto de museu.
Resultados esperados
Considera-se necessário o desenvolvimento de pesquisa transdisciplinar na área das Artes Visuais em diálogo com as Ciências e a Tecnologia, no abrangente campo da cultura, cujos resultados sejam publicações, mas também possam ser apresentados através de ações para divulgar não apenas a produção acadêmica da universidade, mas também propiciar a contribuir na construção do conhecimento, a partir de um argumento curatorial que possibilite as relações transdisciplinares entre as três áreas envolvidas: a arte, a ciência e a tecnologia informática. - Publicação de Artigo Científico - Apresentação de trabalho em Eventos Nacionais - Publicação de Trabalho em ANAIS de Eventos - Argumento e Projeto Curatorial do FACTORS - Exposições in loco e online - Publicação de Catálogo - Relatório Final Para a cidade cultura é importante que se estabeleça em Santa Maria, por tradição considerada uma cidade universitária, uma pesquisa consistente com as demandas transdisciplinares das Artes Visuais século XXI a partir deste projeto do Museu, cujos impactos esperados também sejam alcançados a partir do Campus na UFSM, e cujos resultados possam ser tanto divulgados externamente, quanto motivadores para internamente atrair a comunidade geral à Universidade.
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
Arte Contemporânea
Palavra-chave 2
Transdisciplinaridade
Palavra-chave 3
Arte-Ciência-Tecnologia
Palavra-chave 4
Museu
Tipo de evento
Não se aplica
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Em andamento
Avaliação
Sem pendências de avaliação
Última avaliação
[Não informado]
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
Não necessita contratar fundação
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
8.03.01.00-2 FUNDAMENTOS E CRÍTICA DAS ARTES
Grupo do CNPq
287 ARTE E TECNOLOGIA
Linha de pesquisa
82.12.00 ARTE E TECNOLOGIA
Quanto ao tipo de projeto de pesquisa
2.09 Projeto de Pesquisa, Ensino e Extensão

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Inovação, geração de conhecimento e transferência de tecnologia
PDI 2016-2026 - Desafios
Desenvolvimento local, regional e nacional
PDI 2016-2026 - Desafios
Internacionalização
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Plano de Trabalho
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    1 - Atividades de pesquisa transdisciplinar entre os programas de pós-graduação envolvidos
    Período:
    06/05/2021 a 30/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    2 - Ações expositivas
    Período:
    06/05/2021 a 30/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    3 - Simpósio de Arte Contemporânea
    Período:
    06/05/2021 a 30/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    4 - Festival Arte Ciência e Tecnologia
    Período:
    06/05/2021 a 30/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    5 - Estratégia Arquivamento Museal
    Período:
    06/05/2021 a 24/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    6 - Divulgação à comunidade (catálogos, livros, etc)
    Período:
    06/05/2021 a 24/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %