Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
Avaliação histológica e imuno-histoquímica para as proteínas p16 e p53 em carcinomas de células escamosas cutâneos em cães e gatos
Número do projeto
055640
Número do processo
23081.022108/2021-39
Classificação principal
Pesquisa
Data inicial
16/03/2021
Data final
31/12/2023
Resumo
O carcinoma de células escamosas (CCE) é um tumor maligno de origem epitelial que representa 5% e 23% dos tumores cutâneos estudados em cães e gatos, respectivamente. Embora histologicamente muitos casos de CCEs não representem um desafio diagnóstico na rotina laboratorial, determinar possíveis etiologias e fatores prognósticos tem sido um desafio. Este projeto compreende realizar um estudo retrospectivo dos casos de carcinomas de células escamosas (CCE) de cães e gatos submetidos ao diagnóstico no Laboratório de Patologia Veterinária da Universidade Federal de Santa Maria em um período de 20 anos (2000-2019). A partir dos casos selecionados, será realizada uma avaliação histomorfológica detalhada, investigando a presença concomitante de alterações sugestivas de etiologia solar (ceratose actínica e elastose solar), bem como indicativos de citopatologia viral (presença de coilócitos). Posteriormente, serão correlacionados os achados da histomorfologia com a expressão das proteínas p53 e p16, utilizando a técnica de imuno-histoquímica (IHQ), visando compreender aspectos da etiopatogênese do CCE nestas duas espécies. Além disso, pretende-se encontrar aspectos patológicos relacionados aos padrões de migração e invasão tumoral, correlacionando-os com o grau histológico e, principalmente nos casos de necropsia, com a ocorrência de metástases.
Objetivos
OBJETIVO GERAL Determinar a histomorfologia de CCEs cutâneos em cães e gatos, investigando a presença concomitante de alterações histológicas sugestivas de etiologia solar ou indicativas de citopatologia viral (coilócitos). Ao mesmo tempo, pretende-se correlacioná-las com a expressão das proteínas p53 e p16, respectivamente, em amostras de biópsias e necropsias de cães e gatos provenientes da região central do Rio Grande do Sul e encaminhados para análise no LPV-UFSM. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Utilizando a técnica de IHQ para citoqueratina pretende-se aprimorar a evidenciação dos padrões de migração e invasão, e correlacioná-los com os graus de diferenciação das células neoplásicas e a ocorrência de desmoplasia, a qual será melhor evidenciada com a utilização do imunomarcador vimentina. 2. Verificar a ocorrência de alterações sugestivas de etiologia solar, tais como ceratose actínica e displasia, e correlacioná-las com a expressão da proteína p53. 3. Verificar a ocorrência de alterações histológicas que indiquem citopatologia viral (coilócitos) e correlacioná-las com a expressão da proteína p16. 4. Através da análise detalhada da histomorfologia tumoral, busca-se encontrar aspectos patológicos relacionados aos padrões de migração e invasão, bem como de fatores prognósticos no CCE de cães e gatos. 5. Pretende-se correlacionar o grau histológico e os padrões de migração e invasão, principalmente nos casos de necropsia, onde tiver ocorrido metástase.
Justificativa
Devido à grande diversidade de células e estruturas anatômicas, a pele é o local mais comum de desenvolvimento de tumores malignos e benignos (GROSS et al., 2009; HARGIS; MYERS, 2018). Nos últimos anos a oncologia veterinária tem recebido grande atenção, principalmente quanto às neoplasias cutâneas, que vem crescendo constantemente em importância (FURLANI et al., 2008; MEIRELLES et al., 2010; MEUTEN, 2017; SLEDGE et al., 2016). Este trabalho se ampara no fato de que na região central do Rio Grande do Sul (RS), entre 1964 e 2013, houve um aumento de 16% na prevalência do câncer no grupo de cães necropsiados no laboratório, e os tumores cutâneos perfizeram 12,3% dos casos (FLORES, 2016). Do mesmo modo, os tumores estão entre as principais causas de morte e razão para eutanásia em cães e gatos, correspondendo respectivamente a 7,8% e 10,5% dos casos (FIGHERA et al., 2008; TOGNI et al., 2018). É comprovado que os diferentes padrões histológicos de migração e invasão estão diretamente ligados ao grau de diferenciação celular e influenciam na capacidade metastática das células tumorais (FRIEDL; WOLF, 2003). Embora o estudo destes padrões seja bem estabelecido em humanos (ETMAD-MOGHADAM; ALAEDDINI, 2017; FRIEDL; GILMOUR, 2009; FRIEDL et al., 2012), em medicina veterinária seu estudo é escasso (MASUDA et al., 2011). Além disso, é importante enfatizar, que esse estudo na veterinária não associa os padrões de migração e invasão com o grau histológico em CCEs de cães e gatos. Do mesmo modo, não há relatos de associação destes padrões histológicos com o desenvolvimento de metástase nestas espécies. A exposição crônica à radiação solar e à infeção por papilomavírus são as duas principais etiologias estudadas e amplamente associadas à carcinogênese dos CCEs em animais (MAULDIN; PETERS-KENNEDY, 2016; MUNDAY et al., 2011a; MUNDAY, 2014; SABATINI et al., 2016). Ainda que as inclusões eosinofílicas intranucleares e os coilócitos presentes em queratinócitos dérmicos indiquem uma suposta citopatologia viral, sua observação na coloração histológica de rotina muitas vezes é difícil (MUNDAY, 2014). Deste modo, a utilização da técnica de imuno-histoquímica tem se mostrado de grande importância para identificação de evidências da origem etiológica destes tumores (MUNDAY et al., 2011a; MUNDAY et al., 2019; SABATINI et al., 2016; THOMPSON et al., 2016). A imunomarcação para a proteína p53 na veterinária demonstra que a radiação solar pode ser a causa inicial de carcinogênese na maioria dos CCEs (TEIKEFE; LÖHR, 1996). Entretanto, há relativamente poucos trabalhos avaliando sua expressão em CCEs cutâneos nos animais domésticos (CARVALHO et al., 2005; FAVROT et al., 2009; MUNDAY; ABERDEIN, 2012). Além disso, estes trabalhos acabam não abordando a ocorrência de lesões sugestivas de etiologia solar, tais como a ceratose actínica e a elastose solar, concomitantemente com o CCE e a expressão da proteína p53. A importância de avaliar estas lesões concomitantes ao CCE deve-se ao fato da ceratose actínica ser induzida pelos raios UV e apresentar imunomarcação forte para a proteína p53 (FAVROT et al., 2009). Outra etiologia envolvida na carcinogênese dos CCEs é a infecção por papilomavírus (MUNDAY et al., 2011b; MUNDAY et al., 2012). Utilizando a proteína p16 relata-se imunomarcação positiva em todos os casos com características histológicas de infecção por papilomavírus (MUNDAY et al., 2012; MUNDAY, 2014). Além de indicar uma etiologia viral para o desenvolvimento dos CCEs em animais, a p16 tem sido utilizada como fator prognóstico (MUNDAY et al., 2012). Em felinos, sua expressão positiva quando comparada aos felinos negativos, indicou um comportamento biológico menos agressivo, um prognóstico mais favorável e maior taxa de sobrevida (MUNDAY et al., 2012). Diferentemente dos felinos, os poucos estudos avaliando a expressão da proteína p16 em CCEs em cães demonstraram imunomarcação fraca ou ausente (SABATINI et al., 2016; WAROPASTRAKUL et al., 2012). Esses dados demonstram que, enquanto na medicina humana já se sabe o valor prognóstico da p16 nos CCEs orais (LEWIS et al., 2010) e, em felino, os casos positivos estejam relacionados com infecção viral (MUNDAY et al., 2011a, 2011b; MUNDAY et al., 2012), em caninos os dados são um pouco controversos, sendo necessários mais estudos para compreender seu papel diagnóstico e prognóstico nesta espécie.
Resultados esperados
O somatório dos resultados deverá contribuir para o melhor entendimento da etiopatogênese dessa condição, o que poderá repercutir na tomada de medidas de controle e profilaxia. A execução do projeto em sua íntegra possibilitará a produção de uma tese de doutorado e pelo menos dois artigos publicados em periódicos Qualis A1 ou A2, além de comunicações em congressos nacionais e internacionais. Além disso, permitirá o treinamento de alunos de iniciação científica e de pós-graduação tanto nas técnicas rotineiramente realizadas no LPV-UFSM, quanto na técnica de IHQ.
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
carcinoma espinocelular
Palavra-chave 2
proteína p53
Palavra-chave 3
proteína p16
Palavra-chave 4
imuno-histoquímica
Tipo de evento
Não se aplica
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Em andamento
Avaliação
Sem pendências de avaliação
Última avaliação
[Não informado]
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
Não necessita contratar fundação
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
5.05.03.02-2 ANATOMIA PATOLÓGICA ANIMAL
Linha de pesquisa
99.00.00 LINHA DE PESQUISA INEXISTENTE
Quanto ao tipo de projeto de pesquisa
2.01 Projeto de Pesquisa Pura

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Educação inovadora e transformadora com excelência acadêmica
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Plano de Trabalho
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    Análise dos resultados
    Período:
    01/04/2022 a 30/04/2023
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Atualização bibliográfica
    Período:
    16/03/2021 a 31/12/2023
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Avaliação morfológica dos casos selecionados
    Período:
    01/03/2022 a 31/12/2022
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Busca dos laudos no arquivo do LPV
    Período:
    16/03/2021 a 31/07/2021
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Coleta dos casos de CCE
    Período:
    16/03/2021 a 31/12/2021
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Confecção das lâminas histológicas
    Período:
    02/08/2021 a 31/08/2022
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Confecção de artigos científicos e divulgação dos resultados
    Período:
    02/01/2023 a 31/12/2023
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Padronização da técnica de IHQ
    Período:
    01/03/2022 a 30/04/2022
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
  • Meta:
    Realização da técnica de IHQ nos casos selecionados
    Período:
    01/04/2022 a 31/10/2022
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %