Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
Composição Musical e Pesquisa Artística: produção, análise e difusão
Número do projeto
053979
Número do processo
23081.019023/2020-92
Classificação principal
Pesquisa
Data inicial
20/04/2020
Data final
19/04/2025
Resumo
A análise sempre desempenhou um papel importante dentro do campo acadêmico da composição musical, com amplas implicações para programas de pesquisa e de ensino na área, bem como consequentemente para a própria prática composicional. Apesar dessa abordagem musicológica da composição ser de grande importância, representa a construção de um viés sobre a criação que, ao privilegiar aspectos técnicos, lógicos e extensivos de seus produtos (a obra, a partitura), deixa de lado fenômenos relevantes para qualquer processo artístico, como aqueles ligados à experimentação, intuição e reciprocidade sujeito/objeto. A partir daí, pode-se lançar uma questão fundamental para o trabalho aqui proposto: seria possível pensar, como uma alternativa para a área, em uma atividade analítica preocupada não somente em explicar/representar uma obra musical, mas sim tomada como parte do próprio processo criativo, feita com a criação e seus elementos fundantes— uma análise de cunho composicional, portanto? O presente projeto de pesquisa pretende investigar interfaces produtivas entre composição e análise, tomando como base um horizonte filosófico e metodológico relacionado à Pesquisa Artística. Para tanto, sugere-se que a composição musical possa ser vista como um fenômeno de linhas que, tecidas ao longo do emaranhado de criação de um compositor, pode gerar outputs diversos, com graus variados de estabilidade—uma ideia, uma anotação, um rascunho, uma partitura... Dessa forma, composição e análise são entendidas como duas porções comunicantes desse entrelaçado, para integrar os principais objetivos da pesquisa: a) o estabelecimento de processos criativos, com enfoque nesse circuito criação/análise; b) a experimentação de métodos de registro e acompanhamento desses processos; c) o desenvolvimento de novas narrativas e suportes analíticos; d) e, por fim, a revisão mais abrangente das relações traçadas entre práticas criativas e práticas de investigação acadêmica.
Objetivos
Objetivo Geral: Refletir acerca das relações entre criação musical e modos de conhecimento artístico, revisando o estatuto da análise musical dentro do campo da pesquisa e prática composicional, através do desenvolvimento de percursos experimentais de investigação, baseados sobretudo na Pesquisa Artística. Objetivos Específicos: 1. Estabelecer processos criativos, através da composição de novas obras musicais e da construção das condições para sua performance, apresentação, registro e difusão; 2. Experimentar ferramentas e métodos de registro e acompanhamento desses processos, com a elaboração de análises dos processos composicionais; 3. Desenvolver novas narrativas e/ou novos suportes analíticos, focados no processo criativo, com a elaboração de textos de cunho experimental, ‘análises sonoras’ ou em suporte audiovisual; 4. Explorar as relações traçadas entre práticas criativas e práticas de investigação acadêmica, segundo bases filosóficas e metodológicas associadas à Pesquisa Artística.
Justificativa
A análise musical sempre teve um papel marcante para o desenvolvimento do fazer criativo em música. Desde a Idade Média, uma das formas de se apropriar desse ofício era estudar o que já havia sido criado por outros, anteriormente, e em alguma medida replicar as relações e estruturas identificadas. Mais recentemente, apesar da progressiva virada de valores na filosofia pedagógica e também nas abordagens estéticas da criação musical, em direção ao estímulo da descoberta de uma linguagem individual original por parte dos alunos de composição e dos compositores em geral, replicar, reproduzir e adaptar soluções e estruturas identificadas na música do passado e de criadores contemporâneos ainda tem um papel de destaque no processo de formação do compositor. Como a análise, a partir do início do século XX, torna-se uma ramificação da musicologia, podemos então dizer que uma abordagem eminetemente musicológica da composição musical é, grosso modo, predominante na estruturação atual de programas de ensino e também de pesquisa, na área, sobretudo no Brasil. Como dito acima, isso se dá pois a análise musicológica formal do repertório da música ocidental de concerto dos século XX e XXI—onde a maioria dos conteúdos dos cursos de graduação em composição musical podem ser exemplificados—constitui uma importante ferramenta pedagógica para a área de ensino da composição musical em nível superior, no Brasil, de forma que se desdobra inclusive como principal artifício identitário dentro do processo de ensinoaprendizagem, nesse universo: alunos de composição se formam (se sentem) compositores, a partir da apropriação progressiva de um discurso musicológico-analítico-formal sobre a própria música—saber explicar o que implementou, nesta ou naquela obra, em linguagem científica, de modo a replicar em ambiente supostamente controlado os experimentos daqueles músicos-cientistas de um passado mais ou menos recente. Independente da discussão sobre se esse seria um processo desejável ou não, é necessário esclarecer que tal abordagem a princípio pedagógica, desdobra-se também em um viés hegemônico de investigação acerca da atividade criativa em música que, através da identificação, catalogação e comparação de aspectos técnicos, lógicos e extensivos de seus produtos (a obra, a partitura, ou uma performance), visa majoritariamente à ‘resolução’, ‘explanação’ ou ‘descoberta’ de estruturas musicais e das relações entre elas, em um esforço de cunho teleológico, que minoriza o processo criativo em favor da compreensão de elementos da obra finalizada. O problema é que isso faz com que a prática de pesquisa em composição musical frequentemente deixe de lado fenômenos bastante relevantes para qualquer processo artístico, como aqueles ligados à experimentação, à intuição 1 e à reciprocidade sujeito/objeto— aspectos estes que, por sua vez, são abordados de forma mais ou menos direta em alguns trabalhos de teoria da composição, como em Lima (2012), Laske (1991) e em Reynolds (2002), sem exatamente apontar novas saídas analíticas, porém, nesses casos. A partir daí, podem ser lançadas algumas questões fundamentais para o trabalho ora proposto: assumindo-se, de todo modo, a importância da atividade analítica para a pesquisa em composição musical, seria possível, por outro lado, pensar em uma análise preocupada não somente em explicar/representar a obra musical criada, por um lado, nem direcionada simplesmente à geração de novas músicas a partir de explicações/representações anteriores, por outro? Essa alternativa seria de fato algo possível, sem mudar as próprias estratégias, ferramentas e narrativas analíticas? Qual seria, então, a natureza de uma análise de cunho composicional, tomada como parte do próprio processo criativo? Como poderia se dar, por fim, um percurso analítico traçado com a criação e seus processos fundantes—e não meramente sobre as estruturas extensivas deles resultantes? A Pesquisa Artística (Artistic Research) (COESSENS; CRISPIN; DOUGLAS, 2009; JONES, 2010; BORGDORFF, 2013; RHEINBERGER, 2013) apresenta-se como um possível caminho para encontrar respostas propositivas a essas questões. Tal abordagem de pesquisa aponta, desde o início do século e sobretudo em centros europeus, algumas saídas para o impasse gerado pelo Processo de Bolonha, em que as Escolas Superiores de Artes (i.e., conservatórios de música) de toda a Europa passaram gradativamente a ser integradas ao sistema universitário, com toda a lógica pré-consolidada de produção da pesquisa acadêmica tradicional que esse sistema carregava e ainda carrega, essencialmente pautada em valores e diretrizes científicos (LESAGE, 2009)–o que é, curiosamente, também uma situação presente em diversos contextos brasileiros (ROBATTO, 2015). Ao tentar estabelecer diretrizes e critérios de pesquisa próprios ao fazer artístico, a Pesquisa Artística lança mão de uma série de metodologias, ferramentas e estratégias de pesquisa advindas de outras áreas do saber, para, junto aos múltiplos percursos de criação artística, desenhar trajetórias de investigação percorridas com e ao longo da prática criativa em Artes—e não somente sobre esta prática. Dentre essas metodologias frequentemente empregadas em projetos da linha da Pesquisa Artística, destacam-se algumas bastante consolidadas no campo das Ciências Sociais, sobretudo ligadas às estratégias de pesquisa qualitativa. Nesta seara, trabalhos como os de Ingold (2012, 2011), Gell (1998), Bauer, Gaskell e Allum (2003), Geertz (2012), Velho (1978), Ellis (2004), Ellis e Bochner (1996), Spry (2001), Saada (2005) e Latour (2012) fundamentam a estruturação de um horizonte metodológico experimental de base, para este projeto de pesquisa, sobretudo guiando a construção de contrapartes verbalmente articuladas (resultem elas em textos acadêmicos, filmes, guias, etc.) de reflexão e crítica para a atividade que é o fio condutor do trabalho investigativo proposto, que é a criação artística, ela mesma. Por sua vez, o encadeamento entre as pontas dessas duas zonas metodológicas, a da Pesquisa Artística e a das Ciências Sociais, dá-se em grande medida através de conceitos filosóficos advindos sobretudo dos trabalhos de autores como Deleuze e Guattari (1995a-e; 1992), no campo da filosofia propriamente dita, e Rheinberger (2006, 1997), no campo mais específico da filosofia da ciência. Dos dois primeiros, temos toda uma cartografia conceitual que ajuda a compreender os modos de conhecimento artístico e sua relação com o mundo, sobretudo com ideias como a de agenciamento e a do conceito deleuzo-guattariano de linha. Do terceiro, Rheinberger, uma aproximação das bases experimentais e intuitivas do fazer científico, que ligam os seus métodos mais consolidados a elementos da experiência criativa em artes de forma bastante íntima. Outros autores, nesse campo, como Bateson (1987) e Bergson (1983, 2004), também são importantes nesta proposta, para a expressão das condições mais amplas desse esforço experimental de comunicação entre criação artística e pesquisa aqui proposto. Para finalizar esta seção, reúne-se de forma sumária os principais argumentos que compõem o corpo de justificativas para a realização deste trabalho, ora proposto: • O projeto contribui com o desenvolvimento da área de pesquisa em composição musical, debatendo a função de métodos e ferramentas de investigação e apresentando alternativas; • O projeto dialoga com uma literatura recente e relevante para a área de Artes; • A proposta envolve, ainda, a incorporação ao diálogo de uma literatura de outras áreas, notadamente as Ciências Sociais e a Filosofia; • A proposta envolve o desenvolvimento de ferramentas, métodos e abordagens de pesquisa inovadoras; • O trabalho proposto tem, em seu bojo, a implementação prática dos conceitos, ideias e teorias debatidas, gerando produtos artísticos de potencial interesse social.
Resultados esperados
Levando em consideração os objetivos específicos indicados, os principais resultados esperados do projeto são os seguintes: 1. Novas obras musicais para formações diversas e/ou eletroacústica. [*] Cada composição pode gerar, subsequentemente, partituras editadas e publicadas, gravações em áudio, gravações em vídeo, fonogramas e sua difusão radiofônica e digital pela internet. 2. Propostas de métodos e suportes analíticos experimentais, de cunho composicional. 3. Análises das obras compostas como parte do projeto. 4. Artigos e/ou ensaios publicados em anais de eventos. 5. Artigos e/ou ensaios publicados em periódicos. 6. Website do projeto, com conteúdo multimídia. 7. Livro com partituras, textos e links para o conteúdo multimídia do website.
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
Composição Musical
Palavra-chave 2
Pesquisa Artística
Palavra-chave 3
Análise Musical
Palavra-chave 4
[Não informado]
Tipo de evento
Não se aplica
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Em andamento
Avaliação
Não avaliado
Última avaliação
[Não informado]
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
Não necessita contratar fundação
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
8.03.03.03-0 COMPOSIÇÃO MUSICAL
Linha de pesquisa
84.03.00 COMPOSIÇÃO
Quanto ao tipo de projeto de pesquisa
2.01 Projeto de Pesquisa Pura

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Inovação, geração de conhecimento e transferência de tecnologia
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Plano de Trabalho
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    01 - Novas obras musicais
    Período:
    20/04/2020 a 19/04/2025
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
    • Indicador:
      acusmática; instrumento solo, duo ou trio, com ou sem eletrônica; quarteto, quinteto ou sexteto, com ou sem eletrônica; conjunto ou orquestra de câmara, com ou sem eletrônica; uma peça para orquestra sinfônica, com ou sem eletrônica.
      Valor:
      5 obras
      Conclusão:
      0 obras
    • Fase:
      Pesquisa, experimentação e planejamento das novas obras
      Período:
      20/04/2020 a 31/12/2022
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Desenvolvimento de processos composicionais, escrita de partituras, criação de patches, ambientes de composição assistida por computador.
      Período:
      20/04/2020 a 19/04/2023
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Viabilização de parcerias para a estreia e gravação das cinco novas obras musicais que serão compostas como parte da pesquisa, com posterior difusão via internet, de maneira que a relação com a prática analítica ganhe vulto e lastro criativo.
      Período:
      20/04/2020 a 19/04/2025
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Desdobramento das parcerias em futuros novos projetos artísticos colaborativos.
      Período:
      20/04/2023 a 19/04/2025
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    02 e 03 - Análises das obras compostas
    Período:
    20/04/2020 a 19/04/2024
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
    • Indicador:
      uma análise escrita (um ensaio/artigo); uma análise sonoro-visual (uma nova composição musical para sons eletrônicos e vídeo); uma análise fílmica-documental (um curta-metragem ou vídeo de cunho documental).
      Valor:
      3 produtos analíticos
      Conclusão:
      0 produtos analíticos
    • Fase:
      Pesquisa, catalogação e desenvolvimento de ferramentas e métodos analíticos
      Período:
      20/04/2020 a 19/04/2022
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Registro, organização, transcrição e arquivamento de materiais e informações dos processos criativos.
      Período:
      20/04/2020 a 19/04/2023
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Elaboração dos produtos analíticos.
      Período:
      20/11/2020 a 19/04/2024
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    04 e 05 - Artigos e ensaios
    Período:
    20/11/2020 a 19/04/2025
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
    • Indicador:
      Trabalhos apresentados em congressos ou simpósios e publicados em anais/proceedings
      Valor:
      5 trabalhos
      Conclusão:
      0 trabalhos
    • Indicador:
      Trabalhos publicados em periódicos
      Valor:
      4 trabalhos
      Conclusão:
      0 trabalhos
  • Meta:
    06 e 07 - Website e livro
    Período:
    20/04/2024 a 19/04/2025
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
    • Indicador:
      Alcance de público na rede mundial de computadores, com a publicação dos resultados de cunho artístico ou artístico- analítico (análise sonoro-visual e análise fílmica) na internet, em formato website e livro (e-book).
      Valor:
      10.000 interações
      Conclusão:
      0 interações
    • Fase:
      Elaboração de website
      Período:
      20/11/2024 a 19/01/2025
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Elaboração de livro.
      Período:
      20/04/2024 a 19/11/2024
      Conclusão:
      0 %