Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
II CONGRESSO NACIONAL PARA SALVAGUARDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL: PATRIMÔNIO CULTURAL E GLOBALIZAÇÃO: As problemáticas da preservação do patrimônio cultural no século XXI
Número do projeto
052092
Número do processo
23081.031414/2019-41
Classificação principal
Extensão
Data inicial
01/01/2019
Data final
29/02/2020
Resumo
A discussão desencadeada sobre o tema geral do “II Congresso Nacional para Salvaguarda do Patrimônio Cultural” - Patrimônio Cultural e Globalização: as problemáticas da preservação do patrimônio cultural no século XXI - pretende fomentar a articulação de um trabalho integrado entre universidades (públicas e privadas), sociedade, gestores públicos e profissionais, de forma a promover a reflexão e troca de conhecimentos, o crescimento técnico-científico e a integração entre alunos (graduação e pós-graduação), pesquisadores, professores (graduação e pós-graduação) e profissionais da área da Preservação do Patrimônio Cultural, atuantes na esfera pública e privada, nos cenários local, regional e nacional. A realização deste congresso dar-se-á de 11 a 14 de novembro de 2019, na cidade de Cachoeira do Sul - RS, e constitui-se em uma importante oportunidade para a troca de experiências e diálogo, especialmente pelo fato do Campus Cachoeira do Sul (UFSM) estar em fase de implantação, com jovens Docentes e Técnicos que buscam o crescimento acadêmico, além da consolidação do novo Campus e de seus Cursos. Visando uma interlocução com o campus sede, o evento está sendo organizado em parceria entre os dois Cursos de Arquitetura e Urbanismo da UFSM (Campus Cachoeira do Sul e Campus Sede – Santa Maria), e duas Pós-Graduações da UFSM (PPGPC – Programa de Pós-graduação em Patrimônio Cultural; PPGAUP - Programa de Pós-graduação em Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo). Também se configura como uma oportunidade de fortalecimento da discussão do patrimônio cultural sob novas óticas.
Objetivos
O "II CONGRESSO NACIONAL PARA SALVAGUARDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL: Patrimônio Cultural e Globalização: as problemáticas da preservação do patrimônio cultural no século XXI " tem como objetivo criar um O “II Congresso Nacional para Salvaguarda do Patrimônio Cultural” tem como objetivo geral a criação de um espaço de reflexão e discussão sobre os resultados das pesquisas e das ações práticas, além de intercâmbio de informações, sobre os assuntos relativos à salvaguarda do patrimônio cultural defronte às problemáticas da globalização. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Gerar reflexões sobre salvaguarda, proteção, conservação, restauração, preservação, reabilitação e revitalização de bens culturais, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade; - Debater o estado da arte do ensino, pesquisa e extensão na Salvaguarda do Patrimônio cultural no Brasil diante das diferentes realidades sociais, culturais, econômicas, locais e regionais; - Fortalecer a rede de informações sobre o ensino, a pesquisa e a extensão em Patrimônio Cultural; - Promover o intercâmbio de experiências entre instituições, pesquisadores, professores, estudantes e profissionais no âmbito local, regional e nacional; - Discutir e aprimorar, nas escolas de Arquitetura e Urbanismo, os instrumentos de ensino, os fundamentos teóricos, os procedimentos técnicos e metodológicos na formação para a capacitação e o exercício profissional na atuação da salvaguarda do Patrimônio Cultural; - Discutir a importância da interdisciplinaridade nas questões que abordam a salvaguarda do patrimônio Cultural, envolvendo profissionais, pesquisadores e docentes de outras áreas, como historiadores, arqueólogos, sociólogos, geógrafos, advogados, engenheiros, entre outros; - Aprofundar as discussões sobre a intervenção no Patrimônio Cultural, relacionada aos desdobramentos teóricos e práticos, promovendo o aprimoramento técnico-científico e metodológico das ações práticas de intervenção (restauração, conservação, reabilitação, reutilização, etc.); - Aprofundar as discussões sobre a importância do Patrimônio Imaterial e sua relação com a identidade coletiva; - Discutir e apresentar as Políticas Públicas que envolvem o Patrimônio cultural, fornecendo subsídios técnicos e teóricos às administrações públicas para a gestão e preservação do Patrimônio Cultural; - Aprofundar as discussões sobre a preservação da paisagem em suas várias dimensões e de forma transescalar (Cultural, Rural e Patrimônio Urbano); - Promover a troca de experiências entre a comunidade acadêmica e os administradores públicos; - Abordar a problemática da constante transformação e da degradação que vem sofrendo o patrimônio cultural frente à globalização, cujos efeitos já se fazem sentir mesmo em regiões recuadas e periféricas, e propor alternativas para sua salvaguarda; - Apresentar e reconhecer ações que conseguiram satisfatoriamente proteger o patrimônio cultural das questões que envolvem a globalização; - Colocar em contato pesquisadores, docentes, alunos de pós-graduação, alunos de graduação e parcelas mais amplas da sociedade (arquitetos, engenheiros, historiadores, arqueólogos, sociólogos, geógrafos, advogados, entre outros) para debater o tema; - Trazer para a região Sul do país o debate sobre os assuntos propostos.
Justificativa
O Congresso Nacional para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural tem sua origem nos debates realizados nos colóquios promovidos pela UNESP, na cidade de Bauru (SP). O Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual Paulista (PPGARQ/UNESP) promoveu o I e o II “Colóquio sobre a Salvaguarda do Patrimônio Arquitetônico e Urbano”, com o apoio do CICOP-Brasil, em 2013 e 2015, na cidade de Bauru (SP). Os eventos contaram com conferências ministradas por profissionais de relevância nacional pela sua atuação no patrimônio e foram realizadas oficinas sobre a documentação do patrimônio cultural. Todos os eventos científicos organizados envolveram pesquisadores, alunos de pós-graduação, graduação e parcelas mais amplas da sociedade (arquitetos, engenheiros, historiadores, arqueólogos, sociólogos, geógrafos, advogados, entre outros), na abordagem e discussão do patrimônio cultural e os desafios para sua preservação. Finalmente, em 2017, a Universidade Federal do Mato Grosso, também com o apoio do CICOP-Brasil, organizou o “I Congresso Nacional Para Salvaguarda do Patrimônio Cultural: Fronteiras do Patrimônio”, na cidade de Cuiabá, nos dias 03 a 06 de outubro. Este congresso foi realizado com intuito de dar continuidade nas discussões, estabelecidas nos dois primeiros Colóquios em Bauru (SP), ampliar a escala do debate para a escala nacional e estabelecer uma periodicidade bienal neste evento Nacional. No referido Congresso, o Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Maria, Campus de Cachoeira do Sul, tomou para si o desafio de se comprometer a organizar o “II Congresso Nacional Para Salvaguarda do Patrimônio Cultural. Patrimônio Cultural e Globalização: as problemáticas da preservação do patrimônio cultural no século XXI”, que ocorrerá nos dias 11 a 14 de novembro de 2019. O tema deste evento - Patrimônio Cultural e Globalização: as problemáticas da preservação do patrimônio cultural no século XXI - se relaciona com a realidade da cidade-sede deste II Congresso Nacional para Salvaguarda do Patrimônio Cultural. Dando continuidade à visão ampliada do I Congresso Nacional, ocorrido em Cuiabá (MT), de se discutir o patrimônio cultural também fora dos grandes centros, o município que sediará esta segunda edição será Cachoeira do Sul, cidade do interior do estado do Rio Grande do Sul, cuja dinâmica econômica e social está intimamente vinculada ao ambiente rural. Cacheira do Sul/RS é a quinta cidade mais antiga do estado e possui um considerável patrimônio arquitetônico, urbano e rural. Mesmo assim, não é reconhecido como um município histórico e turístico no estado. Um dos fatores que auxiliaram a preservação do patrimônio arquitetônico foi a criação do COMPAHC - Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural. A despeito da existência do órgão consultivo, a atual especulação imobiliária e o desconhecimento (às vezes descaso) do valor cultural dos bens do Município, têm se tornado um problema para proteção da história, cultura e a memória da comunidade. Diferente da realidade de outras cidades históricas e turísticas, em que as problemáticas de proteção do patrimônio cultural estão relacionadas, principalmente, ao turismo excessivo e à deturpação dos valores simbólicos do patrimônio construído, na cidade de Cachoeira do Sul os problemas da globalização trazem a ideia, embutida na percepção de parte da população, de que o patrimônio cultural é uma barreira para o desenvolvimento econômico, fato que causa a anuência para a demolição/descaracterização de diversos exemplares, que compromete o conjunto urbano que ainda sobrevive. A produção dos espaços construídos no passado e o acúmulo de valores e significados atribuídos pelo homem, com o passar do tempo, permitem o reconhecimento do passado de nossa sociedade e trazem a possibilidade de nos identificarmos como indivíduos integrantes de nossa comunidade na atualidade. As ações públicas e privadas voltadas para preservação do patrimônio cultural (material e imaterial) devem contribuir para a manutenção e permanência das diversas identidades culturais de forma coerente com seu passado e com a realidade de hoje. Porém, vivemos na atualidade uma crise de valores, onde o valor econômico e de marketing se tornaram, muitas vezes, os objetivos das ações de intervenção no patrimônio cultural em detrimento dos valores culturais e simbólicos existentes nas cidades. A globalização tem afetado a forma de gerir e intervir no patrimônio cultural, trazendo como consequência a homogeneização das culturas, o turismo excessivo e descontrolado, a deturpação do passado em prol do desenvolvimento econômico, ou até mesmo em prol de publicidade (de ações privadas ou públicas), e também problemas sociais como a gentrificação. O tema deste congresso tem a intenção de gerar reflexões sobre as diversas problemáticas atuais que envolvem a preservação, salvaguarda, conservação, restauração e reabilitação do patrimônio cultural, além de apresentar e reconhecer ações que conseguiram satisfatoriamente proteger o patrimônio cultural destas questões que envolvem a globalização. Também configura-se como uma oportunidade de fortalecimento da discussão do patrimônio cultural dentro das Pós-Graduações da UFSM que abordam o tema (PPGPC - Pós-graduação em Patrimônio Cultural e PPGAUP - Pós-graduação em Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo) sob novas óticas. A apresentação de artigos dentro da temática do patrimônio cultural e da globalização visa contribuir na discussão sobre os desafios teóricos e práticos que a preservação do patrimônio enfrenta na atualidade. Os eixos temáticos propostos são: (A) Intervenção no Patrimônio Cultural: este eixo envolve os assuntos relacionados com a intervenção no patrimônio cultural edificado (restauração, conservação, manutenção, reutilização, consolidação, etc.), tanto do ponto de vista teórico quanto através de estudos de caso. As intervenções nos edifícios do patrimônio cultural são, por diversas vezes, indispensáveis para a sobrevivência física do edifício, seja pelo estado de degradação do bem ou pela inadequação – ou inexistência – de seu uso. Estas ações devem sempre considerar a preservação da autenticidade, material e imaterial, do edifício para a sua efetiva salvaguarda, que é o objetivo principal de se intervir fisicamente no patrimônio cultural edificado. Desta forma, também se enquadram neste eixo os artigos que discorram sobre temas práticos relacionados à intervenção em bens culturais, como as técnicas construtivas e materiais utilizados, as inovações científicas e tecnológicas e, ainda, a relação entre a teoria e a metodologia aplicada na reabilitação física do edifício considerado como um bem cultural. Outros assuntos que envolvem este eixo são aqueles relacionados às problemáticas advindas da globalização, tema do evento. Está cada vez mais presente nas sociedades a cultura do consumo generalizado, a homogeneização das culturas em prejuízo das diferenças culturais. Uma das questões relacionadas a isso é a deturpação do objetivo principal de intervir nos edifícios do patrimônio cultural: na atualidade, muitas as ações têm priorizado o Marketing, o turismo e o retorno econômico, desqualificando os valores culturais locais e a autenticidade destes bens. Nesse sentido, como propor alternativas para práticas projetuais que superem o fachadismo e a transformação de edifícios culturais em objetos de consumo cenográficos? (B) Patrimônio Imaterial e Identidade: os trabalhos vinculados neste eixo devem abordar a importância do Patrimônio Cultural Imaterial como fonte de diversidade cultural essencial para a identidade coletiva. Os bens culturais de natureza imaterial são as formas de expressões artísticas, representações, celebrações, práticas sociais, rituais, atos festivos, conhecimentos, saberes, ofícios, modos de fazer, técnicas artesanais tradicionais e, também, lugares, como feiras, mercados, praças e locais de práticas culturais coletivas. A preservação e o reconhecimento estão relacionados ao respeito do patrimônio cultural imaterial vinculado às diversas comunidades, grupos e indivíduos, através do registro e também dos trabalhos de conscientização. Os artigos para este eixo podem apresentar discussões e análises tanto do ponto de vista teórico quanto através de estudos de caso. Também são esperadas analises que abordem os perigos da crescente globalização, que afligem diretamente a identidade dos povos ameaçando a diversidade cultural com a homogeneização das culturas e o esquecimento das memórias e tradições. (C) Políticas Públicas: os trabalhos neste eixo devem abordar políticas públicas voltadas e/ou que interferem na preservação do patrimônio cultural, em suas variadas escalas e âmbitos legais. As políticas públicas podem influenciar diretamente nas ações práticas adotadas em intervenções nas paisagens, áreas, cidades, conjuntos e edifícios do patrimônio cultural; estas intervenções podem interferir, também, na permanência dos diversos grupos sociais e culturais e das diversas identidades culturais associadas a estes espaços. A alteração/destruição de espaços compreendidos como patrimônio cultural pode provocar perturbações sociais, por isso a apresentação e análise de políticas públicas são essenciais para a compreensão e o debate sobre a efetiva preservação material e imaterial do patrimônio cultural através das mesmas. Também serão enquadrados neste eixo os trabalhos que abordem a participação da população nas tomadas de decisão através de um processo participativo de planejamento e desenvolvimento de políticas públicas voltadas para a preservação do patrimônio cultural, e/ou ações e políticas públicas que se derivaram da mobilização de grupos sociais. As ameaças da globalização que influenciam as ações e políticas públicas são também enquadradas neste eixo, ameaças que muitas vezes surgem sob pretexto de expansão ou de modernização das cidades, e que podem acabar deturpando o patrimônio cultural e causando a gentrificação. (D) Paisagem em suas várias dimensões (Cultural, Rural e Patrimônio Urbano): são esperados neste eixo trabalhos que analisem não só as relações entre os bens culturais e as paisagens, mas, principalmente, que tratem da constituição destas enquanto bens patrimoniais. Nesse sentido, quer sob a chancela de paisagem cultural quer por meio das diferentes paisagens "urbanas" (capitais e metrópoles, conjuntos urbanos de interesse, mas também pequenas cidades do interior) ou das paisagens "mistas" e "rurais" (zonas periurbanas, cinturões e áreas agrícolas), suas várias escalas e dimensões podem e devem ser abordadas. Tanto do ponto de vista teórico quanto, fundamentalmente, através de estudos de caso, desde que sempre a partir de uma abordagem com foco em sua preservação, manutenção e desenvolvimento como valor para a sociedade. São também esperados trabalhos que abordem os atuais desafios da globalização. O debate internacional sobre a preservação das paisagens enfatiza seu caráter dinâmico. Nesse sentido, como crescer e transformar propondo alternativas para a eventual uniformização e despersonalização das paisagens que se manifestam fortemente no século XXI? O evento torna-se oportuno para a troca de experiências, de difusão de conhecimento produzido e de experimentação de novos referenciais, de novas metodologias projetuais, aplicados ao ensino, pesquisa, extensão e às práticas profissionais.
Resultados esperados
A realização do “II Congresso Nacional para Salvaguarda do Patrimônio Cultural”, na cidade de Cachoeira do Sul - RS, constitui-se em uma importante oportunidade para a troca de experiências e diálogo, especialmente pelo fato do Campus Cachoeira do Sul (UFSM) estar em fase de implantação, com jovens Docentes e Técnicos que buscam o crescimento acadêmico, além da consolidação do novo Campus e de seus Cursos. Também se configura como uma oportunidade de fortalecimento da discussão do patrimônio cultural sob novas óticas dentro das Pós-Graduações da UFSM que abordam o tema (PPGPC e PPGAUP). O tema do evento tem a intenção de gerar reflexões sobre as diversas problemáticas atuais que envolvem a salvaguarda, preservação, conservação, restauração e reabilitação do patrimônio cultural, além de apresentar e reconhecer ações que conseguiram satisfatoriamente proteger o patrimônio cultural. A globalização tem afetado a forma de gerir e intervir no patrimônio cultural, trazendo como consequência a homogeneização das culturas, o turismo excessivo e descontrolado, a deturpação do passado em prol do desenvolvimento econômico, ou até mesmo em prol de publicidade (de ações privadas ou públicas), e também problemas sociais como a gentrificação. As palestras, sessões temáticas de comunicação, atividades, visitas técnicas e discussões a serem realizadas contribuirão para reflexões no modo de pensar o patrimônio cultural no âmbito do ensino, pesquisa, extensão e prática profissional. O evento também visa contribuir com o trabalho desenvolvido por pesquisadores que atuam de modo específico na área e no estudo das questões de Preservação, Restauração, Conservação, Reabilitação e Revitalização do Patrimônio Cultural. A produção de conhecimento técnico produzido no evento constituirá subsídio para a atuação profissional de arquitetos, restauradores, sociólogos, geógrafos, historiadores, advogados, engenheiros, arqueólogos, entre outros, além dos gestores públicos que trabalham na área da Preservação do Patrimônio Cultural. A apresentação de artigos, que envolvem as problemáticas da preservação do patrimônio cultural advindas da globalização, visa contribuir na discussão sobre os desafios teóricos e práticos que a salvaguarda do patrimônio enfrenta na atualidade. Como sistematização dos resultados das discussões realizadas em cada uma das sessões temáticas, os anais do evento pretendem compilar os resultados dos artigos submetidos nas Sessões Temáticas de Comunicação. O evento também visa contribuir na ampliação da discussão acerca das metodologias de projeto de intervenção no Patrimônio Edificado junto de sua fundamentação teórico-crítica para discutir as ações práticas que veem ocorrendo, mas também contribuir no ensino de Projeto de Restauração e de Teoria do Patrimônio Cultural nas Escolas de Arquitetura e Urbanismo no País. O evento torna-se oportuno para a troca de experiências, de difusão de conhecimento produzido e de experimentação de novos referenciais, de novas metodologias projetuais, aplicados ao ensino, pesquisa, extensão e às práticas profissionais. Como resultado do Congresso esperamos fortalecer a rede de informações sobre o ensino, a pesquisa e a extensão em Patrimônio Cultural, gerando reflexões sobre salvaguarda, proteção, conservação, restauração, preservação, reabilitação e revitalização de bens culturais. Além disso, esperamos que o congresso promova o intercâmbio de experiências entre instituições, pesquisadores, professores, estudantes e profissionais no âmbito local, regional e nacional; e, também, contribuir na troca de experiências entre a comunidade acadêmica e os administradores públicos, colocando em contato pesquisadores, docentes, alunos de pós-graduação, alunos de graduação e parcelas mais amplas da sociedade (arquitetos, engenheiros, historiadores, arqueólogos, sociólogos, geógrafos, advogados, entre outros).
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
Patrimônio Cultural
Palavra-chave 2
Salvaguarda
Palavra-chave 3
Globalização
Palavra-chave 4
Congresso Nacional
Tipo de evento
Congresso
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Concluído/Publicado
Avaliação
Sem pendências de avaliação
Última avaliação
02/04/2020
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
Não necessita contratar fundação
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
6.04.01.02-8 TEORIA DA ARQUITETURA
Caracterização das ações de extensão
04 EVENTO DE EXTENSÃO
Áreas temáticas (Política de extensão/2019)
02 CULTURA E ARTE
Linhas de extensão (Política de extensão/2019)
02.00 CULTURA E ARTE

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Desenvolvimento local, regional e nacional
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Cidades de atuação
Cidades
Cidade
UF
Período
Cachoeira do Sul
RS
01/01/2019 a 29/02/2020
Público alvo
Público alvo
150
Tipo de público
Sexo
Feminino
Masculino
Gênero
Feminino
Masculino
Faixa Etária
Adulto
Nível de Escolaridade
Ensino Superior
Superior Incompleto
Pós Graduação
Mestrado
Doutorado
Pós Doutorado
Plano de Trabalho
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    ETAPA 1: Organização do Evento
    Período:
    01/01/2019 a 10/11/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
  • Meta:
    ETAPA 2: Realização do Evento
    Período:
    11/11/2019 a 14/11/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
  • Meta:
    ETAPA 3: Elaboração de relatórios finais e prestação de contas.
    Período:
    15/11/2019 a 29/02/2020
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %