Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
PEDALA KIDS - Desenvolvendo a cidade pelo olhar da criança
Número do projeto
051022
Número do processo
23081.007329/2019-62
Classificação principal
Extensão
Data inicial
01/03/2019
Data final
28/02/2021
Resumo
A escola é a principal atividade cotidiana de crianças e adolescentes. A forma como se deslocam para as instituições de ensino contribui para a vivência e contato com o ambiente e a sociedade. Apesar de estarem com sua formação cognitiva em desenvolvimento e serem consideradas mais vulneráveis aos acidentes de trânsito, as crianças possuem grande sensibilidade para questões do ambiente em que se inserem. O objetivo geral deste projeto é promover a interação de crianças com a mobilidade e o espaço urbano de forma a contribuir para a sua formação cidadã através de atividades lúdicas em sala de aula e também atividades práticas com base no uso de bicicletas. O projeto se justifica ao convidar crianças e, por consequência, adultos que o cercam – pais, professores, familiares e amigos, para discutirem sobre o desenvolvimento urbano sustentável através do uso recreativo da bicicleta. Serão tratados temas de urbanismo, mobilidade, segurança, saúde e convivência social. Espera-se contribuir com o estímulo para a formação cidadã, uma vez que ao caminhar ou andar de bicicleta pelo espaço urbano, a criança pode reconhecer problemas, entender diferenças e assumir uma postura questionadora sobre o desenvolvimento urbano e a mobilidade.
Objetivos
O objetivo geral deste projeto é promover a interação de crianças com a mobilidade e o espaço urbano de forma a contribuir para a sua formação cidadã através de atividades lúdicas em sala de aula e também atividades práticas com base no uso de bicicletas. Além disso, busca-se estimular o pensamento critico quanto ao impacto da mobilidade urbana na qualidade de vida e saúde da comunidade em que estas se inserem. Entre os objetivos específicos do projeto estão: a) Estimular as crianças a interagirem com o espaço urbano a sua volta; b) Transmitir de forma adequada à faixa etária conceitos sobre mobilidade sustentável; c) Destacar a importância dos modos não motorizados para redução de externalidades da mobilidade urbana; d) Estimular a utilização de modos não motorizados de transporte para os deslocamentos cotidianos; e) Envolver a comunidade local na promoção da mobilidade sustentável. f) Auxiliar na elaboração e implementação de políticas públicas voltadas para melhoria dos deslocamentos escolares; g) Fortalecer o relacionamento entre a Universidade Federal de Santa Maria, especialmente representada pelo Campus Cachoeira do Sul, e a sociedade local; h) Contribuir para o desenvolvimento econômico e social de Cachoeira do Sul; i) Capturar o saber popular para enriquecimento de ações extensionistas; j) Envolver os discentes na prática da pesquisa voltada para o atendimento de demandas sociais.
Justificativa
DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL A ligação entre o desenvolvimento urbano e a mobilidade é fortemente relatada na literatura (CERVERO et al., 2017). Porém, em muitos casos, os esforços na melhoria da mobilidade se concentram apenas nos deslocamentos de veículos seja para o planejamento do transporte ou da engenharia de tráfego. O aspecto humano é pouco tomado em consideração. Estratégias urbanísticas que privilegiam aqueles que detêm veículos motorizados têm contribuído para reduzir a vitalidade nas vias públicas. A Constituição Brasileira, em seu artigo 30, define que cabe aos municípios “organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços públicos de interesse local, incluído o de transporte coletivo, que tem caráter essencial” (BRASIL, 1988). Cada uma tem o poder e o dever de decidir sobre planejamento do transporte e da mobilidade urbana. Dos 5570 municípios do Brasil, pouco mais de 300 possuem 100 mil habitantes ou mais (IBGE, 2018). De acordo com censo 2010, 45% da população brasileira vive em cidades com menos de 100 mil habitantes, o que representa cerva de 85 milhões de pessoas (IBGE, 2011). Apesar da carência de profissionais especializados, cada uma das cidades de pequeno e médio porte precisa planejar e gerenciar o seu desenvolvimento e sua mobilidade urbana, o que gera desafios de várias ordens: técnica, política, financeira, entre outras. Poucas são as informações sobre desenvolvimento urbano e a mobilidade em cidades de pequeno e médio porte. A Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), uma das principais fontes de dados sobre mobilidade urbana no país, coleta e apresenta alguns dados de cidades a partir de 60 mil habitantes, o que exclui quase 5.000 municípios. Pode-se observar nos dados apresentados na Figura 1 a grande participação de transportes não motorizados nos deslocamentos cotidianos das cidades, especialmente as de menor porte. Apesar das poucas informações disponíveis para caracterizar o uso do transporte não motorizado, cidades de pequeno e médio porte apresentam, muitas vezes, condições propícias ao uso de modos não motorizados: menores distâncias de deslocamento e maior sensação de segurança viária. Por outro lado, dados recentes do Ministério da Saúde apontam para a “interiorização” dos acidentes de trânsito, visto que as taxas de mortes em acidentes de trânsito por 100 mil têm aumentado mais rapidamente nas cidades de menor porte. Ainda não existem estudos aprofundados para caracterizar as razões deste aumento, porém há a percepção por parte de especialista que estes dados podem ser resultado da rápida motorização e da falta de infraestrutura e de gestão da mobilidade em cidades menores. O deslocamento cotidiano das crianças está fortemente relacionado às atividades escolares. A percepção de alto risco de exposição aos acidentes de trânsito faz com os pais prefiram levar seus filhos à escola por modo motorizado (ROMERO, 2011), aumentando o tráfego de veículos no entorno das escolas, o que, por consequência, torna o ambiente menos atrativo e seguro para deslocamentos feitos por meios não motorizados (ANDREOU, 2010). A segurança no caminho casa-escola vai além da existência de infraestrutura de calçadas e boa sinalização para pedestres. O ambiente construído também tem impacto na atratividade para o transporte não motorizado. A presença de comércios e outros pontos de interação torna o deslocamento mais agradável e convidativo. Por outro lado, grandes muros e vazios urbanos afastam as pessoas do transporte não motorizado. O espaço urbano esvaziado mostra-se hostil e inseguro para atividades nas vias urbanas repelindo as pessoas, que cada vez menos optam pelo transporte não motorizado. IMPACTOS NA SAÚDE No Brasil, todos os anos são registrados em cerca de 40 mil mortes por acidente de trânsito. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mais de 1,2 milhão de pessoas morrem e 50 milhões ficam feridas a cada ano vítimas de acidentes de trânsito (OMS, 2015). Os acidentes de trânsito representam a principal causa de morte de crianças de um a 14 anos no Brasil (CRIANÇA SEGURA, 2018). A tendência é que os acidentes de trânsito, que já́ são a principal causa de morte também entre jovens de 15 a 29 anos, se tornem a quinta principal causa de morte no mundo até 2030. Além disso, a privação de crianças e jovens do contato com o espaço público tem provocado consequências para a saúde, tais como diabetes e obesidade infantil. O abuso das novas tecnologias de entretenimento tem levado crianças a não se sentirem atraídas por atividades ao ar livre. Diversos motivos sociais ou culturais têm levado crianças e jovens à inatividade física. Seja pela forte valorização de entretenimentos de hábitos sedentários, como por exemplo: computadores, vídeo grames, jogos eletrônicos em tablets e celulares; seja pela percepção de insegurança dos pais, o fato é que o envolvimento de crianças e jovens em atividades ao ar livre e com práticas físicas em praças, parques e outros locais de lazer têm sido cada vez mais restritas (SILVA; COSTA JUNIOR, 2011). Nos últimos 40 anos, o número de crianças e adolescentes obesos aumentou em dez vezes. No Brasil, 9,4% das meninas e 12,4% dos meninos são considerados obesos, de acordo com os critérios adotados pela OMS para classificar a obesidade infantil (BRASIL, 2018). A OMS recomenda que as crianças pratiquem no mínimo 60 minutos de atividades físicas por dia (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2010). Nem sempre, a prática esportiva da escola é suficiente para garantir saúde e evitar o ganho de peso. Segundo o ERICA - Estudo dos Riscos Cardiovasculares em Adolescentes, 26,5 % adolescentes não praticam nenhuma atividade física e 54,3 % adolescentes praticam menos que os 300 minutos por semana recomendados pela OMS (BLOCH, 2016). O Estudo também observa que entre meninas os índices de inatividade física são muito mais elevados que entre os meninos. POTENCIAL DE TRANSFORMAÇÃO DO PROJETO Promover a interação de crianças com a mobilidade e o espaço urbano pode contribuir para a sua formação cidadã. Apesar de estarem com sua formação cognitiva em desenvolvimento e serem consideradas mais vulneráveis aos acidentes de trânsito (JENSEN, 2008), as crianças possuem grande sensibilidade para questões do ambiente em que se inserem. Caminhar e brincar pelas ruas e estimula o sentido de pertencimento da criança, facilitando a criação de um mapa mental sobre questões urbanísticas, indo além do conhecimento de vias e parques próximos a sua residência. O projeto se justifica ao convidar crianças e, por consequência, adultos que o cercam – pais, professores, familiares e amigos, para discutirem sobre o desenvolvimento urbano sustentável através do uso recreativo da bicicleta. Serão tratados temas de urbanismo, mobilidade, segurança, saúde e convivência social. Espera-se contribuir com o estímulo para a formação cidadã, uma vez que ao caminhar ou andar de bicicleta pelo espaço urbano, a criança pode reconhecer problemas, entender diferenças e assumir uma postura questionadora sobre o desenvolvimento urbano e a mobilidade. A criança passa a ter papel ativo na promoção da sua saúde e no bem estar coletivo. Neste projeto a bicicleta apresenta-se como meio lúdico para que sejam debatidos com as crianças e demais membros da comunidade conceitos do desenvolvimento urbano e a mobilidade sustentável. INDISSOCIAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Na formação dos alunos de Engenharia de Transportes e Logística busca-se a formação integral do profissional. O empenho da comunicada acadêmica em aproximar as questões de ensino, pesquisa e extensão é fundamental para a formação de profissionais qualificados e atentos às demandas da sociedade em que se inserem. Ao longo da graduação em Engenharia de Transportes e Logística são ofertadas oportunidades para que os alunos desenvolvam seu senso observador, questionador e atuante nos temas do curso. Procura-se envolver os alunos em atividades que lhe apresentem os desafios mais atuais do transporte e da logística de forma técnica, econômica e social. Neste sentido, este projeto integra ensino, pesquisa e extensão ao convidar a comunidade acadêmica para a discussão e atuação em um tema tão contemporâneo: a mobilidade e o desenvolvimento urbano sustentável. Conhecimentos transmitidos em sala de aula, como, por exemplo: utilização do sistema viário urbano, gestão do transporte, avaliação de demanda, planejamento de transporte e uso do solo, entre outros, podem ser debatidos sob o olhar da comunidade. O entendimento das demandas sociais aliado ao ferramental básico apresentado nas disciplinas de ensino permite aos alunos o questionamento sobre novos conhecimentos a serem adquiridos no campo da pesquisa.
Resultados esperados
Espera-se que este projeto apresente resultados positivos na área de Extensão. Entre os resultados e impactos esperados estão: a) Entendimento sobre a importância do desenvolvimento e mobilidade urbana sustentável em cidades de pequeno e médio porte. b) Engajamento da comunidade local na discussão sobre o futuro dos espaços públicos; c) Disseminação de conceitos e incentivo ao uso de transporte não motorizado entre crianças e seus familiares; d) Envolvimento da comunidade acadêmica da Universidade Federal de Santa Maria Campus Cachoeira do Sul na promoção da mobilidade sustentável para a cidade. e) Contribuir para a qualidade de vida da população de Cachoeira do Sul.
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
desenvolvimento urbano
Palavra-chave 2
crianças
Palavra-chave 3
bicicletas
Palavra-chave 4
[Não informado]
Tipo de evento
Não se aplica
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Em andamento
Avaliação
Sem pendências de avaliação
Última avaliação
17/12/2019
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
Não necessita contratar fundação
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
3.10.00.00-2 ENGENHARIA DE TRANSPORTES
Caracterização das ações de extensão
02 PROJETO DE EXTENSÃO
Áreas temáticas (Política de extensão/2019)
07 TECNOLOGIA E PRODUÇÃO
Linhas de extensão (Política de extensão/2019)
07.03 DESENVOLVIMENTO URBANO

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Educação inovadora e transformadora com excelência acadêmica
PDI 2016-2026 - Desafios
Desenvolvimento local, regional e nacional
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Cidades de atuação
Cidades
Cidade
UF
Período
Cachoeira do Sul
RS
01/03/2019 a 28/02/2021
Público alvo
Público alvo
1000
Tipo de público
Sexo
Feminino
Masculino
Gênero
Feminino
Masculino
Faixa Etária
Adulto
Criança
Adolescente
Idoso
Nível de Escolaridade
Analfabeto
Analfabeto funcional
Educação infantil (Creche - até 3 anos; Pré-Escola - 4 e 5 anos)
Ensino Fundamental
Ensino Médio
Ensino Superior
Superior Incompleto
Pós Graduação
Mestrado
Doutorado
Pós Doutorado
Estratificação Social
Baixa vulnerabilidade social
Sem vulnerabilidade social
Domicilio/ Residência
Urbana
Plano de Trabalho
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    1 - Consulta literária às práticas de promoção do uso de bicicleta na infância
    Período:
    01/03/2019 a 30/04/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
    • Fase:
      1 - Busca de exemplos de atividades lúdicas envolvendo o uso da bicicleta
      Período:
      01/03/2019 a 12/04/2019
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      2 - Consolidação das atividades viáveis para aplicação em Cachoeira
      Período:
      13/04/2019 a 30/04/2019
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    10 - "2º Pedala Kids"
    Período:
    01/10/2020 a 31/10/2020
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    0 %
    • Fase:
      15 - Realização do 2o Pedala Kids
      Período:
      01/10/2020 a 31/10/2020
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    11 - Produção de Relatório Final do Projeto
    Período:
    01/11/2020 a 28/02/2021
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    0 %
    • Fase:
      16 - Apresentação das principais lições aprendidas e consolidação das atividades realizadas
      Período:
      01/11/2020 a 28/02/2021
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    2 - Ciclo de palestra em escola - ano 1
    Período:
    01/05/2019 a 31/07/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
    • Fase:
      3 - Reuniões preparatórias
      Período:
      01/05/2019 a 14/06/2019
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      4 - Realização das palestras
      Período:
      15/06/2019 a 31/07/2019
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    3 - Projeto piloto "Jogos de Bicicleta" – escola 1
    Período:
    01/06/2019 a 31/07/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
    • Fase:
      6 - Realização dos Jogos de Bicicleta
      Período:
      01/07/2019 a 31/07/2019
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      5 - Atividades Preparatórias: definição dos jogos, elaboração de materiais
      Período:
      01/06/2019 a 30/06/2019
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    4 - Preparação para o "1o Pedala Kids"
    Período:
    01/05/2019 a 30/09/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
    • Fase:
      7 - Atividades preparatórias: definição de atividades, refinamento de orçamentos, e estabelecimentos de parcerias
      Período:
      01/05/2019 a 30/09/2019
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    5 - "1º Pedala Kids"
    Período:
    01/10/2019 a 31/10/2019
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    100 %
    • Fase:
      8 - Realização do 1o Pedala Kids
      Período:
      01/10/2019 a 31/10/2019
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    6 - Relatório Parcial - ano 1 do Projeto
    Período:
    01/11/2019 a 31/01/2020
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    0 %
    • Fase:
      9 - Apresentação das lições aprendidas no ano 1 de projeto e identificação de melhorias para o ano 2
      Período:
      01/11/2019 a 31/01/2020
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    7 - Ciclo de palestra em escola – ano 2
    Período:
    01/02/2020 a 30/04/2020
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    0 %
    • Fase:
      11 - Realização de palestras
      Período:
      01/04/2020 a 30/04/2020
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      10 - reuniões preparatórias
      Período:
      01/02/2020 a 31/03/2020
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    8 - "Jogos de Bicicleta" – escola 2
    Período:
    01/04/2020 a 30/06/2020
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    0 %
    • Fase:
      13 - Realização dos Jogos de Bicicleta
      Período:
      01/05/2020 a 30/06/2020
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      12 - Atividades Preparatórias: definição dos jogos, elaboração de materiais
      Período:
      01/04/2020 a 30/04/2020
      Conclusão:
      0 %
  • Meta:
    9 - Preparação para o "2o Pedala Kids"
    Período:
    01/05/2020 a 30/09/2020
    Valor:
    R$ 0,00
    Conclusão:
    0 %
    • Fase:
      14 - Atividades preparatórias: definição de atividades, refinamento de orçamentos, e estabelecimentos de parceriasmentos, e estabelecimentos de parcerias
      Período:
      01/05/2020 a 30/09/2020
      Conclusão:
      0 %