Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
Sustentabilidade dos sistemas de transporte urbano em cidades de pequeno e médio porte
Número do projeto
048528
Número do processo
23081.012889/2018-58
Classificação principal
Pesquisa
Data inicial
08/03/2018
Data final
05/02/2021
Resumo
O transporte urbano seguro, acessível, sustentável e a preço acessível para todos é considerado fundamental para a qualidade de vida nas cidades. Porém, pouca informação sobre o transporte urbano em municípios de pequeno e médio porte, apesar de representarem 45% da população brasileira. Neste projeto serão avaliados os diferentes modos de transporte urbano em cidades de pequeno e médio porte sob a ótica da sustentabilidade nas suas diferentes dimensões: técnica, ambiental, econômica e financeira. Este projeto de pesquisa tem por objetivo geral a promoção da sustentabilidade técnica, econômica e ambiental entre os sistemas de transportes urbanos de cidades de pequeno e médio porte. Este projeto é uma oportunidade de introduzir a temática do transporte coletivo tanto interna como externamente à comunidade acadêmica da Universidade Federal de Santa Maria, Campus Cachoeira do Sul. Como resultado espera-se: (i) Entendimento sobre a importância do transporte urbano sustentável em cidades de pequeno e médio porte; (ii) Envolvimento de alunos e da comunidade local com o tema de transporte urbano sustentável.
Objetivos
OBJETIVO GERAL Este projeto de pesquisa tem por objetivo geral a promoção da sustentabilidade técnica, econômica e ambiental entre os sistemas de transportes urbanos de cidades de pequeno e médio porte. Além disso, o projeto objetiva contribuir para o desenvolvimento e aprimoramento do transporte urbano de Cachoeira do Sul, cidade-sede de um campus da Universidade Federal de Santa Maria. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Entre os objetivos específicos deste projeto de pesquisa estão: a) Levantamento bibliográfico sobre o transporte urbano em cidades de pequeno e médio porte; b) Avaliação da implantação de polos geradores de viagens, tais como instituições de ensino, hospitais, órgãos públicos e grande empresas, em cidades de pequeno e médio porte; c) Elaborar estudo de caso na cidade de Cachoeira do Sul, como forma de obtenção de dados primários e secundários para análises; d) Caracterização e avaliação de demanda e oferta atual de transporte de coletivo, transporte individual e transporte não-motorizado com foco em pólos geradores de viagens; e) Elaboração e avaliação de cenários de demanda futura de viagens de e para novos pólos geradores de viagens, tais como a nova sede do Campus Cachoeira do Sul, da Universidade Federal de Santa Maria; f) Identificação de ações para a promoção do transporte sustentável em cidade de pequeno e médio porte, em especial Cachoeira do Sul; g) Divulgação dos benefícios do transporte sustentável para a comunidade local de Cachoeira do Sul h) Enriquecimento dos conteúdos apresentados em disciplinas de ensino do curso de Engenharia de Transportes e Logística e aumento do senso de pertencimento dos alunos.
Justificativa
Diversas são as iniciativas para promover a sustentabilidade no planeta. Encontros de alta cúpula discutem metas e ações para conter o aquecimento global e melhor a qualidade de vida de seus habitantes. Em 2015, foram propostos durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), compostos por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030. O Brasil participou ativamente na construção dos ODS e várias organizações públicas, privadas, do terceiro setor e da academia têm se mobilizado para contribuir na realização destes objetivos (ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, 2018). Embora o Transporte Sustentável não seja um dos ODS diretamente, ele é incorporado em vários ODS e metas, especialmente naqueles relacionados à segurança alimentar, saúde, energia, infraestrutura, cidades e habitação. OODS 11 (Cidades e Comunidade Sustentáveis), em seu item número 2, especifica como meta até 2030, proporcionar o acesso a sistemas de transporte seguros, acessíveis, sustentáveis e a preço acessível para todos, melhorando a segurança viária por meio da expansão dos transportes públicos, com especial atenção para as necessidades das pessoas em situação de vulnerabilidade, mulheres, crianças, pessoas com deficiência e idosos. Neste projeto serão avaliados os diferentes modos de transporte urbano sob a ótica da sustentabilidade nas suas diferentes dimensões: técnica, ambiental, econômica e financeira. Além disso, será observada a diretriz da Política Nacional de Mobilidade Urbana que indica “prioridade dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado” (BRASIL, 2012). O transporte coletivo vem sendo apontado como uma das principais soluções para a sustentabilidade e melhoria da mobilidade nas cidades. Porém, enquanto o transporte coletivo urbano apresenta forte queda na demanda, o transporte individual vem crescendo. O crescimento econômico brasileiro observado na última década tem mostrado resultados na aquisição de veículos privados. Entre 2003 e 2012, a frota de automóveis aumentou quase 70%, enquanto a de motocicletas aumentou em 209% (ANTP, 2014). Na medida que a renda cresce, o uso transporte coletivo é substituído pelo uso misto (transporte coletivo e individual) e, posteriormente, há a tendência ao uso quase que exclusivo do individual. Esta tendência tem afetado a qualidade de vida nas cidades devido ao aumento de externalidades relacionadas ao transporte urbano, como, por exemplo: acidentes de trânsito, poluição atmosférica e perdas econômicas devido aos congestionamentos. Em 2010, os acidentes de trânsito totalizaram mais de 40.000 mortes em todo o país. Em 2004, foi publicado que os acidentes urbanos representariam mais de R$ 5 bilhões todos os anos. Pedestres e motociclistas são as vítimas mais vulneráveis do transporte urbano (BRASIL, 2003). Estudos apontam que o aumento da quilometragem percorrida no transporte individual está diretamente ligado ao aumento nas fatalidades no trânsito (EMBARQ, 2010). A falta de oferta adequada e/ou a má qualidade do transporte coletivo tem contribuído para o aumento dos acidentes, uma vez que usuários insatisfeitos migram para o automóvel ou para a motocicleta. Outro impacto do setor de transporte nas cidades é a crescente emissão de poluentes, que resultam em impactos na saúde de toda a população e contribuem para a geração de gases de efeito estufa. A Organização Mundial da Saúde (2014) aponta que cerca de 3,7 milhões de mortes prematuras podem ser relacionadas aos efeitos da poluição atmosférica. Em São Paulo estima-se um excesso de 7 mil mortes prematuras ao ano na região metropolitana e 4 mil na capital, decorrentes do impacto da poluição na saúde das pessoas, além da redução de 1,5 anos de vida (ISS, 2013). Outro assunto latente das discussões sobre o transporte coletivo no Brasil são as tarifas praticadas. O modelo atual não estimula a eficiência, uma vez que não há incentivos para redução de custos, pois os operadores são remunerados pelos custos: se os custos sobem, a remuneração sobe; se os custos caem, a remuneração cai. Isto dificulta a redução das tarifas cobradas dos usuários. Tornando o transporte coletivo inacessível os mais pobres. A Constituição Brasileira, em seu artigo 30, define que cabe aos municípios “organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços públicos de interesse local, incluído o de transporte coletivo, que tem caráter essencial” (Brasil, 1988). Cada uma tem o poder de decidir planejamento do transporte urbano, assim como a forma de regulação, contratação e remuneração dos serviços de transporte coletivo por ônibus. A produção do transporte coletivo urbano no Brasil é feita, em geral, por empresas operadoras privadas e regulado pelo poder público tanto no aspecto técnico, quanto econômico (Orrico e Santos, 1996). As cidades determinam a forma como se relacionam com os operadores privados. A delegação dos serviços se faz por meio do uso de mecanismos jurídico-institucionais conhecidos, a concessão ou a permissão, que têm por objetivo escolher a empresa que realizará o melhor serviço em determinada linha ou conjunto de linhas. No que se refere ao transporte não motorizado, poucas são as informações disponíveis. Apesar de representar cerca de um terço dos deslocamentos diários nas cidades, existem poucas informações técnicas sobre o sobre pedestres e ciclistas. Estes muitas vezes são negligenciados no planejamento da mobilidade urbana. Dos 5570 municípios do Brasil, aproximadamente 300 possuem mais de 100 mil habitantes (IBGE, 2018). De acordo com censo 2010, 45% da população brasileira vive em cidades com menos de 100 mil habitantes, o que representa cerva de 85 milhões de pessoas (IBGE, 2011). Apesar da carência de profissionais especializados, cada uma das cidades de pequeno e médio porte precisa planejar e gerenciar seu sistema de transporte coletivo, o que gera desafios de várias ordens: técnica, política, financeira, entre outras. Em cidades de pequeno e médio porte, por questão de economia de escala, os operadores de transporte coletivo tendem a se organizar em monopólios, em que uma única empresa opera todo o transporte coletivo da cidade, ou oligopólio, caso em que algumas poucas empresas prestam o serviço. Este tipo de arranjo requer conhecimentos específicos de gestão para evitar assimetria de informações. Porém, cidades de pequeno e médio porte apresentam, muitas vezes, condições propícias ao uso de modos não-motorizados: menores distâncias e maior sensação de segurança viária. A Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), uma das principais fontes de dados sobre mobilidade urbana no país, coleta e apresenta alguns dados de cidades de pequeno e médio porte, porém somente para as a partir de 60 mil habitantes, o que exclui quase 5.000 municípios. A cidade de Cachoeira do Sul é um pólo regional, localizado na região central do estado do Rio Grande do Sul.Com cerca de 85 mil habitantes, Cachoeira do Sul é principal cidade na área compreendida pelo Vale do Jacuí. Cachoeira do Sul é dividida em sete distritos: cidade de Cachoeira do Sul (zona urbana), Ferreira, Bosque, Três Vendas, Barro Vermelho, Capané e Cordilheira (zonas rurais). Atualmente, a frota de veículos motorizados na cidade chega a 48.338 veículos, dos quais 61% automóveis e 19% motocicletas (DETRAN/RS, 2018). No que se refere ao transporte coletivo na cidade de Cachoeira do Sul, este é operado atualmente por uma única empresa, a Nossa Senhora das Graças, tanto na área urbana quanto interdistrital. Atualmente, a empresa opera13 linhas urbanas que transportam 350 mil passageiros por mês. Infelizmente, não são encontrados para livre consulta dados sobre número de pedestres e ciclistas na cidade. Parte das pesquisas serão realizadas em Cachoeira do Sul, dada a sua característica de pequeno e médio porte e localização do campus universitário provisório da UFSM e a proximidade da inauguração de seu campus definitivo. Esta se apresenta como uma oportunidade de gerar conhecimento sobre o transporte urbano em cidades de pequeno e médio porte, sua relação com polos geradores de viagens, assim como aplicar estes à comunidade cachoeirense. Além da pesquisa em si, este projeto pode futuramente contribuir nas áreas de ensino e extensão. Este projeto é uma oportunidade de introduzir a temática do transporte urbano sustentável tanto interna como externamente à comunidade acadêmica da Universidade Federal de Santa Maria, Campus Cachoeira do Sul. No âmbito de ensino, o projeto qualificará o conteúdo e exercícios aplicados em sala de aula, por apresentar casos conhecidos da rotina dos estudantes da UFSM-CS. As principais disciplinas beneficiadas seriam: CSETL4090 – Introdução aos Sistemas de Transportes; CSETL4036 – Avaliação de Demanda por Transportes; CSETL4060 – Planejamento de Transporte Urbano e Uso do Solo; CSETL4061 – Planejamento de Transportes Públicos. Quanto a aplicação em extensão, o projeto busca envolver a comunidade acadêmica, setor público planejador e regulador do transporte urbano em Cachoeira do Sul e provedores privados do serviço para discutir e promover modos de transporte mais sustentáveis a nível local e regional.
Resultados esperados
Espera-se que este projeto apresente resultados positivos na área de Pesquisa. Entre os resultados e impactos esperados estão: a) Entendimento sobre a importância do transporte urbano sustentável em cidades de pequeno e médio porte. b) Mapeamento da relação entre polos geradores de viagens e o transporte urbano em cidades de pequeno e médio porte. c) Publicação dos resultados das pesquisas nos principais congressos de transporte do Brasil e América Latina.
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
Sustentabilidade
Palavra-chave 2
Transporte Urbano
Palavra-chave 3
Cidades
Palavra-chave 4
[Não informado]
Tipo de evento
Não se aplica
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Em andamento
Avaliação
Sem pendências de avaliação
Última avaliação
12/05/2020
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
Não necessita contratar fundação
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
3.00.00.00-9 ENGENHARIAS
Linha de pesquisa
00.02.14.03 ENGENHARIA DE AVALIAÇÃO
Quanto ao tipo de projeto de pesquisa
2.01 Projeto de Pesquisa Pura
Objetivos Sustentáveis da ONU
11 Cidades e Comunidades Sustentáveis

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Inovação, geração de conhecimento e transferência de tecnologia
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Plano de Trabalho
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    1 - Revisão sistemática de literatura
    Período:
    08/03/2018 a 31/03/2020
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    90 %
    • Indicador:
      percentual de conclusão
      Valor:
      100 %
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      Busca de conteúdo
      Período:
      08/03/2018 a 31/12/2019
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      Sistematização do conteúdo
      Período:
      08/03/2018 a 31/12/2019
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      Definição de palavras-chave e abrangência da revisão de literatura
      Período:
      08/03/2018 a 30/04/2018
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      Relatório Síntese da revisão de literatura
      Período:
      08/03/2018 a 31/12/2019
      Conclusão:
      10 %
  • Meta:
    2 - Estudo de caso do transporte urbano de Cachoeira do Sul
    Período:
    01/04/2018 a 31/12/2019
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    25 %
    • Indicador:
      percentual de conclusão
      Valor:
      100 %
      Conclusão:
      0 %
    • Fase:
      Caracterização de Cachoeira do Sul como estudo de caso de transporte urbano em cidade de pequeno e médio porte
      Período:
      01/04/2018 a 31/12/2018
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      Avaliação do transporte urbano no entorno dos principais polos geradores de viagens de Cachoeira do Sul
      Período:
      01/01/2019 a 31/12/2019
      Conclusão:
      30 %
    • Fase:
      Mapeamento de Oferta e Demanda de transporte urbano em Cachoeira do Sul
      Período:
      01/04/2018 a 30/06/2019
      Conclusão:
      90 %
  • Meta:
    3 - Proposição de ações para aumento da sustentabilidade do transporte urbano de Cachoeira do Sul
    Período:
    01/10/2019 a 30/09/2020
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
    • Indicador:
      percentual de conclusão
      Valor:
      100 %
      Conclusão:
      100 %
    • Fase:
      Nota técnica sobre potenciais ações para a sustentabilidade do transporte urbano em Cachoeira do Sul
      Período:
      31/10/2019 a 30/09/2020
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    4 - Publicação dos principais resultados em congressos nacionais e/ou internacionais
    Período:
    01/09/2018 a 31/01/2020
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    100 %
    • Indicador:
      Artigos aprovados
      Valor:
      2
      Conclusão:
      2
  • Meta:
    5 - Exposições dos resultados do projeto para a sociedade local
    Período:
    01/04/2018 a 31/12/2020
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    100 %
    • Indicador:
      Número de apresentações
      Valor:
      3
      Conclusão:
      3
    • Fase:
      Apresentação de resultados em fóruns locais
      Período:
      01/04/2018 a 31/12/2020
      Conclusão:
      100 %
  • Meta:
    6 - Relatório dos resultados obtidos no Projeto Pesquisa
    Período:
    01/04/2018 a 05/02/2021
    Valor:
    R$ [Não informado]
    Conclusão:
    0 %
    • Indicador:
      percentual de conclusão
      Valor:
      100 %
      Conclusão:
      0 %