Visualizar projeto

Dados Básicos
Título
DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS DE ANIMAIS DOMÉSTICOS ATRAVÉS DE NECROPSIA, HISTOPATOLOGIA, HISTOQUÍMICA E IMUNO-HISTOQUÍMICA
Número do projeto
048335
Número do processo
23081.009650/2018-09
Classificação principal
Extensão
Data inicial
01/04/2018
Data final
01/04/2023
Resumo
Este projeto tem por objetivo principal diagnosticar, por meio de necropsias e exames histopatológicos (biópsias), com o auxílio de técnicas histoquímicas e imuno-histoquímicas, as doenças que acometem animais domésticos (e, ocasionalmente, animais silvestres, animais de laboratório e aves) em Santa Maria e região. Será feita divulgação dos resultados obtidos (na forma de artigos científicos e notas técnicas), contribuindo com o controle sanitário e complementando a atividade dos clínicos e cirurgiões tanto de pequenos quanto de grandes animais. Paralelamente, o projeto servirá para a formação de recursos humanos (mestres e doutores).
Objetivos
Objetivo geral: Diagnosticar, por meio de necropsias e exames histopatológicos, as doenças que acometem animais domésticos (e ocasionalmente animais silvestres, animais de laboratório e aves) em Santa Maria e região. Objetivos específicos: - Determinar a causa de morte dos animais domésticos por meio de necropsia e análise histopatológica dos tecidos e com o auxílio de colorações especiais (histoquímica) e imuno-histoquímica; - Definir o diagnóstico de espécimes de biópsia por meio de análise histopatológica, se necessário, com o auxílio de colorações especiais (histoquímica) e imuno-histoquímica; - Auxiliar o clínico na determinação do prognóstico para o indivíduo acometido por algum tipo de neoplasma. Este auxílio se dará por meio de aplicação de sistemas de graduação aos neoplasmas em questão e, se necessário, aplicação de técnicas imuno-histoquímicas que ajudem a determinar o grau de malignidade do tumor; - Gerar conhecimentos que auxiliem no controle e na prevenção das doenças dos animais domésticos, contribuindo para: (a) reduzir o prejuízo dos produtores rurais locais; (b) reduzir o risco de exposição de pessoas a doenças transmissíveis por animais (zoonoses); (c) reduzir a perda de animais de companhia por doenças que possam ser controladas; - Formar recursos humanos (mestres e doutores em patologia veterinária).
Justificativa
As doenças que acometem os animais domésticos são de grande interesse para o ser humano, particularmente no que diz respeito à importância econômica e aos riscos de transmissão ao homem. Muitas doenças de bovinos, ovinos e suínos, por exemplo, causam perdas financeiras a proprietários rurais, gerando prejuízos significativos à pecuária no estado. Como consequência, há grandes investimentos no diagnóstico, no tratamento e, principalmente, na prevenção destas afecções. O setor de clínica de pequenos animais, embora distinto em muitos aspectos, também atrai investimentos consideráveis. Só em 2012, o mercado brasileiro de produtos e serviços para animais de estimação, no qual se inclui a clínica de cães e gatos, faturou 14,2 bilhões de reais (fonte: Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação [Abinpet]). Como resultado do crescente interesse no diagnóstico e na terapia de doenças de cães e gatos, a cada novo ano, técnicas médicas mais acuradas, seguras e confiáveis têm sido descobertas. Os proprietários, por sua vez, estão cada vez mais dispostos a investir o que for necessário em cuidados médicos, hospitalares e, frequentemente, no exame post mortem de seus cães e gatos. Além do seu aspecto financeiro, muitas doenças que acometem os animais domésticos são transmissíveis ao homem (zoonoses) e, portanto, representam riscos à saúde pública, ocasionalmente, com alto índice de mortalidade para humanos. A Patologia Veterinária é uma grande subárea da Medicina Veterinária que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo, principalmente por meio de necropsias e exames histopatológicos de biópsias. Os dois principais objetivos da necropsia são: (1) determinar a causa da morte e/ou de doença do indivíduo; e (2) monitorar a prevalência das doenças de uma população. Dentre as finalidades disto, pode-se citar: (1) a prevenção de novas perdas econômicas para o proprietário; (2) a notificação dos órgãos de saúde pública acerca da ocorrência e da prevalência das diferentes zoonoses na região; (3) a detecção precoce de doenças emergentes em nossa região, tal qual a leishmaniose canina, permitindo traçar planos de prevenção. O exame histopatológico de biópsias é realizado em tecidos retirados de animais vivos. A análise de biópsias é de maior interesse na clínica de pequenos animais e tem por objetivos: (1) confirmar o diagnóstico do espécime remetido, permitindo a escolha da terapia mais adequada para aquele indivíduo; e (2) auxiliar o clínico na determinação de um prognóstico. Atualmente, existem serviços públicos e privados de patologia veterinária no Rio Grande do Sul. Historicamente, os laboratórios públicos pertencem a Universidades Federais (os principais sendo atrelados à UFRGS, à UFPel e à UFSM). As justificativas para se manter um serviço de patologia veterinária (LPV) funcionando desde 1964 na UFSM seguem abaixo: - Possibilidade de prestar um serviço com preço diferenciado; - Suprir a demanda de exames de clínicas e hospitais veterinários locais; - Ausência de outros laboratórios de patologia veterinária públicos no centro do estado; - Interação entre os participantes do projeto como alunos e profissionais envolvidos no curso de medicina veterinária da UFSM, favorecendo a casuística; - Formação de recursos humanos. Atualmente, duas professoras participantes do projeto (G.D. Kommers e M.M. Flores) pertencem ao Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária (PPGMV, UFSM), o qual recebeu novamente o conceito 7 da CAPES em 2017. A Profa. G. D. Kommers (coordenadora do projeto) é a atual Coordenadora Substituta do PPGMV. Adicionalmente, materiais provenientes da rotina podem ser utilizados nas pesquisas conduzidas por professores e alunos do LPV. Abaixo, seguem exemplos de produções recentes incluindo dados da rotina do laboratório. - FACCIN, T. C.; MASUDA, EK; PIAZER, J.V.M.; MELO, S. M. P.; KOMMERS, G. D. Annular Stenotic Oesophageal Squamous Cell Carcinoma in Cattle Exposed Naturally to Bracken Fern (Pteridium arachnoideum). JOURNAL OF COMPARATIVE PATHOLOGY, v. 157, p. 174-180, 2017. - BAZZI, T.; MELO, S. M. P.; FIGHERA, R. A.; KOMMERS, GLAUCIA D. Características clínico-epidemiológicas, histomorfológicas e histoquímicas da esporotricose felina. Pesquisa Veterinária Brasileira (Impresso), v. 36, p. 303-311, 2016. - FLORES, M.M.; MAZARO, R.D.; LANGOHR, I.M.; ROY, A.; STROTHER, K.; FIGHERA, R.A. Ancillary techniques on the evaluation of canine cutaneous mast cell tumors from Brazil. Ciência Rural, v. 46, p. 1804-1810, 2016. - TOCHETTO, C.; ROSA, F. B.; SANTOS, R.P.; MAZZANTI, A.; FIGHERA, R.A.; KOMMERS, G.D. Myelopathy associated with cervical epidural spinal metastasis of follicular-compact thyroid carcinoma in two dogs. - SILVEIRA, I.P.; INKELMANN, M.A.; TOCHETTO, C.; ROSA, F.B.; FIGHERA, R.A.; IRIGOYEN, L.F.; KOMMERS, G.D. Epidemiologia e distribuição de lesões extrarrenais de uremia em 161 cães. Pesquisa Veterinária Brasileira (Online), v. 35, p. 562-568, 2015. Historicamente, o LPV teve um papel importante na formação de mestres e doutores em patologia veterinária que hoje atuam tanto no Brasil quanto no exterior. Além disto, os integrantes do laboratório possuem vivência nos Estados Unidos: - A professora Glaucia D. Kommers, coordenadora, possui Phd em Patologia Veterinária pela University of Georgia (UGA). - A professora Mariana Martins Flores realizou parte do seu doutorado sanduíche na Louisiana State University (LSU) e, recentemente, compareceu ao congresso do American College of Veterinary Pathologists, realizado em New Orleans, LA (2016). Ressalta-se que o contato constante com a rotina diagnóstica é essencial na formação de um patologista e em todos estes processos de internacionalização dos integrantes do LPV. Para que se possa realizar necropsias e exames histopatológicos, uma série de equipamentos permanentes e materiais de consumo são necessários. O exame post mortem requer instrumentos e materiais como uma mesa de aço inoxidável com ralos e baldes para que se possa escoar o sangue, facas de boa qualidade, pinças, tesouras, instrumentos e serra-fita para corte de ossos, luvas de látex descartáveis, óculos de proteção, sacos plásticos para a coleta de tecidos frescos para congelamento, entre outros. A limpeza da sala de necropsia é feita diariamente e requer o uso de materiais permanentes (lava-jato) e materiais de consumo, como esfregões de chão, rodos, vassouras e desinfetantes. O material colhido na necropsia e o material recebido como biópsia são inseridos em um recipiente com formol 10% para que possam ser fixados por alguns dias. Após a fixação, o material é clivado (este é o procedimento de corte dos tecidos para que possam ser processados, e deve ser realizado manualmente em uma capela com exaustão, para que se evite a inalação de formol); o material clivado é inserido em pequenas caixas de plástico descartáveis denominadas “cassetes histológicos” e os mesmos são encaminhados para uma máquina de processamento de tecidos (histotécnico), onde passam uma noite sendo processados por meio de lavagens em xilol, álcool e parafina. No dia seguinte, os cassetes são retirados de dentro da máquina e os tecidos processados são inseridas em pequenas fôrmas de metal, em cima de uma placa aquecida, onde será depositada parafina aquecida por meio de um dispensador de parafina (processo denominado emblocamento), formando blocos de parafina contendo tecidos. Após esta etapa, os blocos são refrigerados, cortados manualmente por meio de um micrótomo, pescados em lâminas histológicas de vidro com auxílio de um banho-maria e colocados em uma estufa para que possam secar. Posteriormente, as lâminas são submetidas a uma bateria de coloração de rotina (hematoxilina e eosina) que inclui lavagens em xilol, álcool 99°, álcool 96°, álcool 70°, água corrente, hematoxilina e eosina. Finalmente, as lâminas são montadas com lamínulas e uma cola denominada “Entellan” para que possam ser analisadas pelo patologista no microscópio óptico. As lâminas, após montadas, duram anos, e podem ser armazenadas ou descartadas. Já os blocos de parafina podem ser recortados se houver necessidade de uma nova análise, sendo geralmente arquivados no laboratório. No LPV, há um acervo de blocos de parafina referente a pouco mais de 50 anos de diagnóstico (1964-2017). Geralmente, o patologista leva em torno de 3 a 5 dias entre uma necropsia/recebimento de biópsia e o recebimento das lâminas histológicas referentes a elas. Após a análise histológica inicial, alguns casos precisam ser recortados e submetidos a colorações especiais (por exemplo, Ácido Periódico de Shiff, para a identificação de fungos, ou Ziehl-Neelsen, para a identificação de alguns tipos de bactérias) ou à imuno-histoquímica (por exemplo, neoplasmas pouco diferenciados que precisam ser submetidos a marcadores celulares como vimentina e citoceratina, para que se possa identificar a origem das células malignas). A maioria das colorações especiais requer o uso de kits comerciais prontos, levam até 3 horas para serem realizadas e são feitas no laboratório onde é realizada a coloração de rotina; já a imuno-histoquímica é um processo mais complexo que requer um laboratório à parte, com estufa, agitador magnético, geladeira, micro-ondas, destilador de água e diversos reagentes e tampões, além de um anticorpo específico para o que será testado.
Resultados esperados
Acredita-se que com a aprovação deste projeto, se possa captar recursos suficientes para reinvestir em materiais de consumo e materiais permanentes essenciais na manutenção dos serviços de rotina. Além disto, há uma previsão de que a realização do projeto auxilie na formação de um número considerável de recursos humanos: atualmente, a equipe é constituída de um estagiário (bolsista de iniciação científica), mestrandos (3) e doutorandos (4). Finalmente, a continuidade da realização da rotina (sustentada pelo presente projeto) possibilitará continuar o diagnóstico de doenças individuais e de grupo, a detecção de zoonoses e de doenças de notificação obrigatória e a descoberta de doenças exóticas à nossa região.
Projeto em âmbito confidencial
Não
Projeto superior
-
Palavra-chave 1
patologia veterinária
Palavra-chave 2
diagnóstico de doenças
Palavra-chave 3
animais domésticos
Palavra-chave 4
causas de morte
Tipo de evento
Não se aplica
Carga horária do curso
[Não informado]
Situação
Em andamento
Avaliação
Sem pendências de avaliação
Última avaliação
07/10/2020
Gestão do conhecimento e gestão financeira
O projeto pode gerar conhecimento passível de proteção?
Não
Propriedade Intelectual
[Não informado]
Proteção Especial
[Não informado]
Direito Autoral - Copyright
Não
O projeto contrata uma fundação? Indique a fundação
FATEC - Fundação de apoio a tecnologia e a ciência
Classificações
Tipo
Classificação
Classificação CNPq
5.05.03.02-2 ANATOMIA PATOLÓGICA ANIMAL
Caracterização das ações de extensão
05 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
Áreas temáticas (nova política de extensão/2008)
09 Saúde
Linhas de extensão (nova política de extensão/2008)
66 Saúde animal

Plano Gestão
Objetivo Estratégico
PDI 2016-2026 - Desafios
Desenvolvimento local, regional e nacional
Participantes
Matrícula Nome Função Carga Horária Período
@{matricula} @{pessoa.nomePessoa} @{funcao.descricao} @{cargaHoraria} h/semana @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Órgãos
Unidade Função Período
@{descricao} @{funcao.descricao} @{dataInicial|format=dd/MM/yyyy} a @{dataFinal|format=dd/MM/yyyy}
Cidades de atuação
Cidades
Cidade
UF
Período
Santa Maria
RS
01/04/2018 a 01/04/2023
Público alvo
Público alvo
1500
Tipo de público
Sexo
Feminino
Masculino
Gênero
Feminino
Masculino
Faixa Etária
Adulto
Idoso
Nível de Escolaridade
Analfabeto funcional
Ensino Fundamental
Ensino Médio
Ensino Superior
Superior Incompleto
Pós Graduação
Mestrado
Doutorado
Pós Doutorado
Estratificação Social
Alta vulnerabilidade social
Baixa vulnerabilidade social
Sem vulnerabilidade social
Domicilio/ Residência
Rural
Urbana
Plano de Trabalho
Fontes
Órgão
Valor
Recursos próprios do projeto
R$ 233.820,00
Rendimentos financeiros
R$ [Não informado]
Total
R$ 233,820.00
Despesas
 
Especificação
Descrição
Valor Unitário
Total
Passagens
Passagens e Despesas com Locomoção
Passagens para o deslocamento de professores e alunos até ocasionais congressos, encontros e palestras relacionados com patologia veterinária e áreas afins.
R$ 500.00
R$ 2,000.00
Material de consumo
Material de Consumo
Materiais de consumo diversos, que serão utilizados nas diferentes etapas do diagnóstico e limpeza da sala até o processamento do material e montagem das lâminas, colorações especiais e imuno-histoquímica.
R$ 121,200.00
R$ 121,200.00
Auxílio financeiro a estudantes
Nenhuma despesa cadastrada
Diária
Diárias - Pessoal Civil
Diárias podem vir a ser necessárias para a participação de professores e alunos em eventos relacionados com patologia veterinária e áreas afins realizados em outras cidades.
R$ 200.00
R$ 1,000.00
Serviços de pessoa física
Manutenção e Conservação de Equipamentos
O LPV tem uma grande gama de equipamentos que, devido ao uso frequente, ocasionalmente necessitam de manutenção.
R$ 1,000.00
R$ 7,000.00
Obras e instalações
Nenhuma despesa cadastrada
Equipamentos e materiais permanentes
Equipamentos e Material Permanente
Aquisição de equipamentos e materiais permanentes, seja pela demanda de um equipamento/material adicional, seja pela necessidade de repor possíveis equipamentos/materiais danificados.
R$ 61,800.00
R$ 61,800.00
Serviços de terceiros - pessoa jurídica
Manutenção e conservação de Máquinas e Equipamentos
O LPV tem uma grande gama de equipamentos que, devido ao uso frequente, ocasionalmente necessitam de manutenção.
R$ 1,000.00
R$ 7,000.00
Bolsa
Nenhuma despesa cadastrada
UFSM e Fundação
Despesas Infraestrutura UFSM
R$ 13,820.00
Despesas Administrativas Fundação de Apoio
R$ 20,000.00
Total
R$ 233,820.00
Pessoal Envolvido
Nenhum bolsista definido
Metas/Indicadores/Fases
  • Meta:
    1 - Diagnóstico de doenças de animais domésticos através de necropsia, histopatologia, histoquímica e imuno-histoquímica
    Período:
    01/04/2018 a 01/04/2023
    Valor:
    R$ 200.000,00
    Conclusão:
    30 %
    • Indicador:
      Quantidade de necropsias e biopsias realizadas no laboratório a cada ano de vigência do projeto.
      Valor:
      [Não informado]
      Conclusão:
      0
    • Fase:
      3 - Encaminhamento, processamento, corte e confecção de lâminas; realização de histoquímica e imuno-histoquímica quando necessário.
      Período:
      01/04/2018 a 01/04/2023
      Conclusão:
      30 %
    • Fase:
      2 - Necropsia e avaliação macroscópica das peças de biopsias
      Período:
      01/04/2018 a 01/04/2023
      Conclusão:
      30 %
    • Fase:
      4 - Análise das lâminas, realização de diagnóstico e confecção dos laudos
      Período:
      01/04/2018 a 01/04/2023
      Conclusão:
      30 %
    • Fase:
      1 - Recebimento de cadáveres e materiais de biópsias
      Período:
      01/04/2018 a 01/04/2023
      Conclusão:
      30 %
  • Meta:
    2 - Despesas administrativas
    Período:
    01/04/2018 a 01/04/2023
    Valor:
    R$ 33.820,00
    Conclusão:
    30 %