Brasao UFSM

Anais 25ª JAI

Início  Trabalhos

COAGULAÇÃO INTRAVASCULAR DISSEMINADA EM UM CÃO

LUCIANE GIORDANI 1, SONIA TEREZINHA DOS ANJOS LOPES 2, MARCIÉLEN PAGNONCELLI3, RAQUELI TERESINHA FRANÇA 3, MÁRCIO MACHADO COSTA 3, CÁSSIA BAGOLIN DA SILVA 3

Introdução

A hemostasia é o mecanismo que mantém a fluidez do sangue pelos vasos. Inclui o controle da hemorragia e a dissolução do coágulo, por meio de eventos mecânicos e bioquímicos. Didaticamente pode-se dividir a hemostasia em primária, secundária e terciária, embora os três processos estejam inter-relacionados. A ativação permanente da cascata da coagulação, eventualmente, resulta em diminuição das plaquetas, dos anticoagulantes naturais e das proteínas de coagulação. A fibrinólise torna-se contínua e sistêmica. Este fenômeno generalizado é chamado de coagulação intravascular disseminada (CID) e pode ser fatal. É importante ressaltar que esta é uma síndrome secundária a diversos processos patológicos, onde, paradoxalmente, mecanismos antagônicos estão ativados: da coagulação sanguínea e da fibrinólise. A abordagem inicial para avaliação de sangramento deve centrar-se em distinguir a perda de sangue causada por lesões nos vasos sanguíneos de uma desordem sistêmica.

Objetivos

Objetiva-se relatar neste trabalho um caso de CID secundário à neoplasia em um cão.

Metodologia

Foi atendido no Hospital Veterinário Universitário da Universidade Federal de Santa Maria um canino, fêmea, sem raça definida, dez anos de idade apresentando epistaxe há dois dias e apatia. Ao exame físico notou-se a presença de nódulos nas mamas, mucosas pálidas, hematomas no abdômen e nos membros posterior esquerdo e anterior direito, o qual estava edemaciado. O animal ainda apresentava carrapatos. Foram solicitados exames de bioquímica sérica, hemograma, citologia aspirativa por agulha fina (CAAF) e coagulograma (tempo de protrombina – TP, e tempo de tromboplastina parcial ativada – TTPa). Três dias após o atendimento o animal veio a óbito sendo encaminhado para a necropsia.

Resultados

No hemograma foi observada anemia normocítica normocrômica com presença de anisocitose, policromasia e trombocitopenia. O leucograma apresentou alterações características de estresse por corticóides endógenos. Este tipo de leucograma pode ocorrer em casos de estresse prolongado ou dor (JAIN, 1993). Na CAAF observou-se agregados de células epiteliais neoplásicas sugestivo de carcinoma. Este tipo de neoplasma é considerado muito invasivo e pouco diferenciado, apresentando frequentemente um prognóstico reservado (ZUCCARI et al., 2001). A suspeita laboratorial de CID foi baseada no encontro de um prolongado TP e TTPa, além de trombocitopenia (STOKOL, 2003). Com o óbito do paciente foi realizado exame necroscópico no qual foi verificado alterações compatíveis com CID e confirmada a presença de carcinoma simples e carcinoma anaplásico nas mamas com metástase para o coração, pulmão, baço, fígado e rins.

Conclusão

Os achados laboratoriais associados ao exame clínico completo mostraram-se importantes métodos de suspeita diagnóstica para casos de CID. Com o tratamento da causa base da CID e dos sinais apresentados pelo animal acometido é possível a resolução desta doença. De forma geral, as intervenções se baseiam no uso de anticoagulantes, reposição de plasma e plaquetas e administração de inibidores fisiológicos da coagulação. Porém no presente caso isto não foi possível já que o animal veio a óbito.
1 autor, 2 orientador, 3 co-autor