Brasao UFSM

Anais 25ª JAI

Início  Trabalhos

CONDROSSARCOMA INFRAORBITÁRIO EM UMA CADELA

JORGE LUIZ COSTA CASTRO 1, ALCEU GASPAR RAISER 2, VERONICA SOUZA PAIVA CASTRO 3, MARCOS VINICIUS MOTA PIRES3, LARISSA RIBEIRO DE PAULA3, KAREN URURAHY BERCHO3

Introdução

O condrossarcoma é uma neoplasia maligna mesenquimal, onde as células produzem matriz cartilaginosa, mas nunca produzem osteóide ou osso diretamente (ARAÚJO, 2006). São mais comuns em cães de grande porte e de média idade, acometendo ossos planos como costelas, ossos nasais e pelve, podendo também se desenvolver em tecidos extra-esqueléticos (SILVA, 2007). Classificada em dois subtipos: mixóide, encontrado com mais freqüência em condrossarcomas esqueléticos, e mesenquimal em extra-esqueléticos, porém é raro. Apresentam características invasivas, deformando ossos faciais, maxilares ou palatais. As metástases quando ocorrem acometem pulmões e linfonodos (GOMES, 2007). A margem de segurança ao redor da neoplasia deverá ser realizada nas cirurgias, porém raramente é conseguida, o que torna a sobrevida do paciente curta variando de três a seis meses (SILVA, 2007). Outra opção de tratamento é a radioterapia em conjunto com a cirurgia ou isoladamente (GOMES, 2007).

Objetivos

O presente trabalho tem como objetivo relatar uma cadela com condrossarcoma esquelético canino em osso zigomático direito, tratado por ressecção cirúrgica e cirurgia reparadora, apresentando um intervalo livre da doença e um tempo de sobrevida de 13 meses após a ressecção cirúrgica do tumor. 

Metodologia

Uma cadela Rottweiler de 10 anos de idade com tumoração há 4 meses na região infraorbitária direita, foi examinada, apresentando conjuntiva ocular congesta e linfoadenomegalia regional, a tumoração envolvia o osso zigomático. O exame citológico foi inconclusivo. Foram realizados exames de diagnóstico por imagem para estadiamento. Foram administrados fluidoterapia e metronidazol e como medicação pré-anestésica o midazolan e fentanil. A indução anestésica foi feita com propofol e a manutenção da anestesia inalatória com isoflurano. Procedeu-se a ressecção do osso zigomático e anaplastia na região infra-orbitária. No pós-operatório foram prescritos analgésicos e antiinflamatórios. Após a retirada dos pontos o paciente teve alta; apresentando-se clinicamente normal nos doze meses seguintes, quando retornou apresentando recidiva do tumor. Os exames de estadiamento não revelaram metástases; contudo o proprietário optou pela eutanásia um mês após, devido à invasão tumoral e em região de face.

Resultados

A punção aspirativa por agulha fina da tumoração e dos linfonodos não apresentaram células neoplásicas. O hemograma mostrou uma leucocitose neutrofílica, linfopenia. Os exames de função renal e hepática estavam normais. A ultra-sonografia abdominal e radiografia de tórax não apresentaram metástase. Não foi necessária a colocação de dreno na cirurgia reconstrutiva. O paciente foi examinado diariamente para avaliação da ferida e presença de dor na região. Os pontos foram retirados com 15 dias de pós-operatório. Com resultado histopatológico de condrossarcoma mixóide, não se realizou tratamento quimioterápico, pois não há indicação para esta neoplasia. A radiotrapia não foi realizada pela indisponibilidade do serviço, talvez se na possibilidade do tratamento, o prognóstico poderia ser outro. O paciente apresentou boa qualidade vida nos doze meses seguintes à intervenção, o que justifica a realização através da cirurgia mesmo nos pacientes portadores de tumores com prognóstico ruim.

Conclusão

O presente relato nos permite concluir que:

1 - Este paciente teve uma sobrevida de 13 meses com qualidade de vida, sem alterações nas atividades físicas e fisiológicas.

2- Embora o condrossarcoma seja uma neoplasia com baixo potencial metástatico e bastante invasivo localmente, a cirurgia pode ser um tratamento paliativo proporcionando ao paciente uma melhor qualidade de vida e um maior tempo de sobrevida.

3- A radioterapia é a melhor opção para associar ao tratamento cirúrgico, entretanto, esta não é uma alternativa disponível na rotina da clínica veterinária.

1 autor, 2 orientador, 3 co-autor